Cuiabá, 12 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,40
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 07:54 - A | A

11 de Junho de 2024, 07h:54 A- A+

Política e Eleições / RELAÇÕES EXTERIORES

Presidente Lula se reúne com lideranças mundiais e de organizações internacionais na Europa

Em Genebra, Lula participa do Fórum Inaugural da Coalizão para Justiça Social, da Organização Internacional do Trabalho (OIT)

ELISA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumpre agendas internacionais em Genebra, na Suíça, e em Borgo Egnazia, na Itália, nesta semana. Na visita à Europa, Lula se reúne com lideranças mundiais e de organizações internacionais, participa do Fórum Inaugural da Coalizão para Justiça Social da OIT e integra as discussões da Cúpula do G7.

A participação do presidente no Fórum Inaugural da Coalizão para Justiça Social, em Genebra, no dia 13, trata do enfrentamento das desigualdades sociais, da concretização de direitos trabalhistas integrados a direitos humanos, da expansão da capacidade e acesso aos meios produtivos e da promoção do trabalho decente.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo linkFTN BRASIL 

 

O fórum é iniciativa do diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Gilbert Houngbo, ao lado de quem Lula exercerá a co-presidência da coalizão. Em briefing à imprensa nesta segunda-feira, 10 de junho, no Palácio Itamaraty, o embaixador Carlos Márcio Cozendey, secretário de Assuntos Multilaterais Políticos do Ministério das Relações Exteriores (MRE), relatou detalhes da agenda.

"Os países vão apresentar iniciativas, projetos e ações em torno desses temas. Depois da abertura vão ser realizados três painéis: Construir a resiliência das sociedades, Melhoria da coerência de políticas econômicas e sociais e Promoção do diálogo social para a prosperidade", destacou o embaixador.

G7

A convite da primeira-ministra, Giorgia Meloni, o presidente Lula visita na sequência a Itália, onde participa da Cúpula do G7. É a oitava vez que o presidente brasileiro é convidado a participar do segmento externo do grupo. Às 13h do dia 14, Lula será recepcionado e fará um discurso na sessão substantiva do bloco.

A sessão será das 14h às 17h30 e os temas serão: inteligência artificial, energia, África e Mediterrâneo. O Papa Francisco participará da sessão e será o orador inicial de Inteligência Artificial e Energia. O presidente da União Africana, Ould Ghazouani, será o orador inicial sobre África e Mediterrâneo.

"Eu diria que um eixo norteador provável da fala do presidente Lula durante o discurso no dia 14 é como esses temas se relacionam com a Presidência brasileira do G20, como o lançamento da Aliança Global Contra a Fome, por exemplo. O presidente fará uma apresentação dos objetivos brasileiros ligados à economia digital, transição energética e promoção da paz", disse o embaixador Maurício Lyrio, secretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do MRE.

Lyrio pontou que o Brasil compartilha valores que congregam os países do G7, como o fortalecimento da democracia, a modernização econômica e a proteção do meio ambiente e dos direitos humanos.

Bilaterais

Ao fim do encontro, os líderes seguem para reuniões bilaterais. Até o momento, o presidente Lula tem reuniões bilaterais confirmadas com o Papa Francisco, com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, com o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, e com a presidenta da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Deverão estar presentes na Cúpula do G7 líderes de África do Sul, Arábia Saudita, Argentina, Egito, Emirados Árabes Unidos, Índia, Mauritânia (na condição de presidente de turno da União Africana), Nigéria, Quênia, Tunísia e Turquia; e dirigentes dos seguintes organismos internacionais: Nações Unidas, Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial, Banco Africano de Desenvolvimento e Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Histórico

O G7 foi criado em 1975, por iniciativa do presidente francês Valéry Giscard d’Estaing, com o objetivo de reunir os países mais industrializados do mundo à época para tratar de questões de política econômica de interesse comum. Atualmente, os países-membros são: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido. Em termos econômicos, o G7 hoje já não abrange as sete maiores economias do mundo: de acordo com dados do FMI em 2023, China e Índia são, respectivamente, a segunda e a quinta maiores economias do mundo em PIB nominal.

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO