Cuiabá, 24 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,66
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Sábado, 30 de Março de 2024, 08:07 - A | A

30 de Março de 2024, 08h:07 A- A+

Política e Eleições / "PERMANÊNCIA NECESSÁRIA"

Ministro Moraes nega pedido de devolução de passaporte a Bolsonaro para viagem a Israel

Ministro do Supremo Tribunal Federal seguiu parecer da PGR contrário a pedido feito pela defesa do ex-presidente

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes negou a devolução do passaporte do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que havia sido apreendido após operação da Polícia Federal, no dia 8 de fevereiro. A decisão de Moraes segue entendimento da Procuradoria-Geral da República (PGR), que se manifestou contrária à restituição do documento.

A defesa de Bolsonaro havia realizado o pedido de devolução do passaporte para que Bolsonaro viajasse a Israel, entre os dias 12 e 18 de maio. Os advogados argumentavam que o ex-presidente foi convidado pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para visitar o país.

Para Moraes, a medida de apreensão do passaporte de Bolsonaro "permanece necessária e adequada" já que "a investigação, inclusive quanto ao requerente, ainda se encontra em andamento".

"As diligências estão em curso, razão pela qual é absolutamente prematuro remover a restrição imposta ao investigado, conforme, anteriormente, por mim decidido em situações absolutamente análogas", disse Moraes.

De acordo com a PGR, a apreensão do passaporte tem o objetivo justamente de "prevenir que o sujeito à providência saia do país, ante o perigo para o desenvolvimento das investigações criminais e eventual aplicação da lei penal”.

Ainda de acordo com o procurador-geral da República, Paulo Gonet, "não se tem notícia de evento que torne superável a decisão que determinou a retenção do passaporte" de Bolsonaro.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

A ida de Bolsonaro para a embaixada húngara ocorreu quatro dias depois de ele ter o passaporte apreendido pela PF em uma operação que o investiga por tramar um golpe de Estado após as eleições de 2022. Por ser considerado um território sob controle de outra nação, o ex-presidente estava fora do alcance da Justiça brasileira no período em que estava lá.

Como justificativa para a hospedagem na embaixada, os advogados pontuaram que, apesar de não ter mais mandato, Bolsonaro continua com uma "agenda de compromissos políticos extremamente ativa", o que inclui encontros com "lideranças estrangeiras alinhadas com o perfil conservador".

Em resposta a Moraes, que pediu explicações sobre a estadia na representação da Hungria, os advogados do ex-presidente classificaram como "ilógica" a ideia de que Bolsonaro iria solicitar refúgio político da Hungria, que é governada pelo primeiro-ministro Viktor Orbán, aliado do ex-presidente.

Na resposta a Moraes, a defesa de Bolsonaro menciona ainda que nas vezes em que se ausentou do país, o ex-presidente informou com antecedência ao magistrado por ser investigado em ao menos cinco inquéritos na Corte. Foi o caso, por exemplo, da ida de Bolsonaro à Argentina para a posse de Javier Milei, em dezembro do ano passado. E, agora, com o pedido de ida a Israel.

 

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation