Cuiabá, 18 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,57
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Quarta-feira, 10 de Abril de 2024, 13:31 - A | A

10 de Abril de 2024, 13h:31 A- A+

Política e Eleições / TENSÃO NA AMÉRICA LATINA

Lula dialoga com López Obrador e afirma que invasão a Embaixada causou uma "grande ruptura do direito internacional"

O Brasil divulgou nota em que "condena, nos mais firmes termos, a ação empreendida por forças policiais equatorianas na Embaixada mexicana, em Quito"

ELISA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve uma conversa por telefone nesta terça-feira (09), com o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador.Na ocasião, Lula manifestou solidariedade a respeito da invasão da embaixada do México em Quito, Equador, pelas forças policiais daquele país, na última sexta-feira (05).

O brasileiro salientou que o episódio representou uma grave ruptura do direito internacional. Lula reforçou que o Brasil acompanhará o tratamento do tema na Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC).

O presidente mexicano agradeceu a solidariedade do Brasil e ressaltou que, além das discussões na CELAC, o México levará o tema da invasão da embaixada à Corte Internacional de Justiça.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

Na perspectiva de estreitar ainda mais laços econômicos e empresariais entre as nações, o presidente brasileiro expressou o desejo de viajar ao México ainda este ano, antes do fim do mandato de López Obrador. O líder mexicano afirmou que terá grande prazer em receber a visita de Lula.

Em solidariedade ao México, a Nicarágua anunciou a ruptura de todas as relações com o Equador, após chamar a ação de "inusitada" e "condenável".

"Clara violação"

O Brasil divulgou nota em que "condena, nos mais firmes termos, a ação empreendida por forças policiais equatorianas na Embaixada mexicana, em Quito". "A ação constitui clara violação à Convenção Americana sobre Asilo Diplomático e à Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas que, em seu artigo 22, dispõe que os locais de uma Missão diplomática são invioláveis, podendo ser acessados por agentes do Estado receptor somente com o consentimento do Chefe da Missão", afirma o comunicado do Itamaraty.

Operação da Polícia Federal

Uma operação da polícia do Equador para prender o ex-vice-presidente Jorge Glas na Embaixada do México, em Quito, levou o Governo Mexicano a cortar relações diplomáticas com o Equador, deflagrou uma onda de condenação por toda a América Latina e motivou a convocação de uma reunião por parte da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Glas, que foi vice de Rafael Correa e de Lenín Moreno, estava refugiado na embaixada desde 17 de dezembro passado. Em 2017, foi condenado a seis anos de prisão por associação ilícita no âmbito do caso Odebrecht, a empreiteira brasileira teria pago cerca de US$ 33,5 milhões de propina a funcionários do Equador entre 2007 e 2016. Em 2020, recebeu pena extra de oito anos por suborno agravado. Cumpriu quatro anos e meio de prisão e foi beneficiado com a liberdade provisória.

Por volta das 21h de sexta-feira (23h em Brasília), a chanceler mexicana, Alicia Bárcena, anunciou a concessão de asilo a Glas. "Confio que o governo do Equador lhe dará salvoconduto o quanto antes." Às 22h20 (0h20 deste sábado, em Brasília), os policiais de Quito invadiram a embaixada, capturaram Glas e imobilizaram Roberto Canseco, chefe de Chancelaria e Assuntos Políticos da representação mexicana. 

Bárcena avisou a López Obrador sobre a invasão, e, pouco depois das 23h30 (hora local), anunciou a ruptura de relações. A chanceler denunciará Quito à Corte Internacional de Justiça, à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização dos Estados Americanos (OEA). 

A Presidência do Equador justificou a prisão de Glas e ressaltou que "toda embaixada tem apenas uma finalidade: servir de espaço diplomático para estreitar as relações entre países". "Nenhum delinquente pode ser considerado um perseguido político. Glas foi condenado (...) e contava com mandado de captura."

O Governo de Daniel Noboa insistiu que Glas abusou das imunidades e dos privilégios concedidos pela missão diplomática mexicana. Também sublinhou que o Equador é um país soberano e não permitirá a impunidade para um "delinquente". Às 10h15 deste sábado (12h15 em Brasília), Glas deu entrada no Centro de Privação de Liberdade (CPL) Guayas, mais conhecido como La Roca ("A Rocha"), em Guayaquil. 

A Secretaria Geral da OEA repudiou qualquer ação que viole ou coloque em risco a involabilidade dos locais das missões diplomáticas e reiterou a obrigação de todos os Estados de não invocarem normas de direito interno para justificar o descumprimento de suas obrigações internacionais. Além de chamar a um diálogo entre as partes, o órgão destacou a necessidade de uma reunião de seu Consejo Permanente para abordar a crise. 

De acordo com a chancelaria, a medida "constitui grave precedente, cabendo ser objeto de enérgico repúdio, qualquer que seja a justificativa para sua realização". O presidente Luiz Inácio Lula da Silva retuitou a nota e escreveu: "Toda minha solidariedade ao presidente amigo Andrés Manuel López Obrador". 

Coordenador do Seminário de Segurança Nacional da Universidade Nacional do México (Unam), Javier Posada afirmou que o governo de Daniel Noboa violou todo o protocolo internacional da Convenção de Viena em relação à inviolabilidade das instituições diplomáticas. "O Equador abriu um precedente muito negativo, no contexto da América Latina. Sabemos que há muitas diferenças políticas entre os presidentes Javier Milei (Argentina), Gustavo Petro (Colômbia) e López Obrador (México). Esse tipo de violação produziu uma consequência lógica e natural: a ruptura das relações diplomáticas entre México e Equador", disse à imprensa, 

De acordo com Posada, López Obrador tem se equilibrado em uma política externa errática. "Há pouco tempo, pediu o fim da OEA. Ele terá que recorrer aos fóruns internacionais."

Carlos Estarellas Velásquez, ex-subsecretário de Relações Exteriores do Equador, explicou ao Correio que a crise entre Quito e México está relacionada a uma série de erros. "Tudo começou com López Obrador, ao insinuar sobre a política equatoriana, violando o princípio de não intervenção, básico no direito internacional." O segundo erro foi a outorga de asilo a Glas. Outro equívoco foi a invasão à embaixada."

 

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation