Cuiabá, 20 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Quarta-feira, 06 de Março de 2024, 17:07 - A | A

06 de Março de 2024, 17h:07 A- A+

Política e Eleições / PERDA NA SAFRA

Governador Riedel alinha com Ministério da Agricultura medidas para ajudar produtores rurais

Na manhã desta quarta-feira (6) com o governador Eduardo Riedel e representantes do setor, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, sinalizou que os setores de soja, milho e bovinocultura de corte e leite deverão ser atendidos com medidas de apoio

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

Diante da iminente crise enfrentada pelo setor agrícola em Mato Grosso do Sul, causada por perdas significativas na produção de soja devido à quebra na safra e à estiagem, o Governo do Estado, em colaboração com o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), está trabalhando para oferecer auxílio ao setor afetado. Em uma reunião realizada nesta quarta-feira (6) com o governador Eduardo Riedel e representantes do setor, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, indicou que medidas de apoio serão implementadas para beneficiar os segmentos de soja, milho, bovinocultura de corte e bovinocultura de leite.

Na reunião que contou com a participação além do governador Riedel, do secretário-executivo de Desenvolvimento Econômico e Sustentável da Semadesc, Rogério Beretta, o presidente da Famasul, Marcelo Bertoni, o presidente da Aprosoja MS, Jorge Michelc, e o presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Soja, André Dobashi, o ministro esclareceu que o Governo federal vai anunciar as medidas de apoio financeiro ao setor rural nos próximos dias.

A União tem como expectativa anunciar essas ações em um prazo de 15 dias, antes do término da colheita da safra de grãos, visando minimizar os impactos causados pelas condições climáticas desfavoráveis e pelas flutuações do mercado na produção agropecuária ao longo deste ano. Essas medidas de apoio são essenciais para ajudar os agricultores e pecuaristas a enfrentarem as dificuldades econômicas decorrentes das perdas na produção e das adversidades climáticas enfrentadas durante esta safra.

Safra 2023/2024

Nesta safra foram cultivados em Mato Grosso do Sul cerca de 4,2 milhões de hectares de soja e a estimativa de produção é de 54 sacas por hectare. No entanto com a alta nos custos de produção e a estiagem, muitos agricultores estão colhendo menos que o previsto. Isso tem provocado grandes perdas na receita dos produtores e endividamento do setor. O cenário levou o Governo do Estado juntamente com as entidades produtivas a solicitar apoio urgente do Governo Federal.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

Após as demandas de todo o Brasil, o Mapa prepara medidas que incluem a prorrogação de parcelas de investimentos com vencimento em 2024 e a disponibilização de linha de capital de giro em dólar via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com carência de dois anos e prazo de três anos para pagamento.

A meta segundo ele é antever a “crise iminente” no campo e anunciar ações de ajuda aos produtores antes do fim da colheita da soja. A intenção é evitar agir apenas depois que se instale um ambiente de endividamento e de seus efeitos colaterais. O ministro também já considera que a segunda safra de milho será menor que o projetado inicialmente.

“Queremos viabilizar um apoio ao produtor rural nesse momento difícil, e o ministro Fávaro nos passou em primeira mão agora todas as ações que estão sendo feitas pelos setores produtivos, pelos governos, pelo Ministério da Agricultura para encontrar estratégias e alternativas. Duas grandes soluções estão na mesa. Não são definitivas, mas ajudam o produtor nesse momento”, destacou o governador.

Uma das propostas discutidas é jogar a parcela de investimento deste ano para o fim do contrato ou redistribuí-la nas prestações restantes, com a manutenção das condições iniciais de juros.  “A primeira medida que a equipe está estudando é a renegociação das parcelas de investimento que vão vencer nesse ano pagando juros e parcelando para frente ou colocando no último ano do vencimento do contrato, dependendo do prazo e também novas linhas de crédito em dólar para que o produtor possa rodar a sua atividade”, salientou Riedel.

Ele reiterou que o Governo do Estado acompanha atentamente o desdobramento das ações. “Nós estamos atentos, conversando com todo mundo sobre essa situação. Neste momento é importante que a nossa bancada federal está presente e atuando nessa discussão, assim como a nossa bancada estadual na Assembleia Legislativa. Parlamentares participando diretamente para que a busquemos soluções para esse difícil momento”, salientou o governador.

O secretário-executivo da Semadesc, Rogério Beretta avaliou as medidas como positivas. “É uma forma de minimizar as perdas que os produtores já estão vivendo com a safra de soja, que está perto dos 60% concluída no Estado”, pontuou lembrando que a estimativa é que sejam colhidas 12,5 milhões de toneladas de soja neste ano, abaixo dos 15 milhões de toneladas do ano passado.

O presidente da Famasul, Marcelo Bertoni  destacou o intenso trabalho das entidades rurais para auxliar o setor produtivo neste momento. “A Famasul, juntamente com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), busca opções para minimizar os prejuízos financeiros causados ao produtor rural, que refletirão em toda economia do país. Este alinhamento entre o setor produtivo, o governo do estado e o Mapa é fundamental para chegarmos a uma solução diante da situação”, enfatizou.

Para o presidente da Câmara Setorial da Soja, André Dobashi as medidas são um esforço do Governo para atender o setor produtivo. “Muito mais do que falar de medidas que mitigam os problemas da estiagem, da crise no setor. O que temos percebido lá na Câmara Setorial é que o governo quer uma linha direta entre a produção e o Ministério da Agricultura. Não só para demandas como a redução dos prejuízos com a estiagem mas também de demandas em relação a incremento produtivo, a tecnologia e a sustentabilidade”, afirmou.

O presidente da Aprosoja-MS, Jorge Michelc avaliou que para ajudar o setor as medidas necessitam de celeridade. "Vai ajudar o setor. É uma luz no fim do túnel, porque realmente a quebra de receita do produtor é significativa", reiterou o produtor rural.

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation