Cuiabá, 14 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 16:40 - A | A

21 de Junho de 2024, 16h:40 A- A+

Política e Eleições / 8 DE JANEIRO

Goveno da Argentina entrega ao Brasil lista de foragidos que promoveram atos golpistas em Brasília estão vivendo no país

Porta-voz do presidente da Argentina garante que não há "pacto de impunidade" com o aliado Jair Bolsonaro e que decisões da Justiça serão respeitadas

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

O governo de Javier Milei, presidente da Argentina, entregou ao Itamaraty nesta quinta-feira (20), a lista dos foragidos do atentado em Brasília (DF) de 8 de janeiro de 2023, que se encontram em território argentino. Este foi um pedido formal apresentado pela Polícia Federal (PF) brasileira. O documento já foi encaminhado ao gabinete do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que é responsável pelos processos relacionados aos ataques golpistas. Estima-se que a lista contenha cerca de 65 nomes.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo linkFTN BRASIL 

Na semana passada, a Polícia Federal (PF) enviou à Argentina uma lista com 143 nomes de brasileiros que teriam descumprido medidas cautelares, como prisão domiciliar ou obrigatoriedade do uso de tornozeleira eletrônica, para escapar da Justiça cruzando a fronteira. O objetivo era descobrir quantos deles estavam na Argentina para dar início a um processo de extradição – e fazer isso o mais rápido possível, já que alguns poderiam ter solicitado asilo político. Nesse caso, o governo argentino não poderia entregar os nomes às autoridades brasileiras, porque a lei de pedido de refúgio impõe confidencialidade.

O Ministério das Relações Exteriores recebeu o documento e o encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) na última terça-feira (18). O STF havia solicitado ao Itamaraty que fizesse a consulta ao governo argentino.

Os trâmites para uma eventual extradição dos foragidos para o Brasil dependem de um pedido formal pelo Judiciário e são de responsabilidade do Ministério da Justiça e Segurança Pública. No que diz respeito à cooperação jurídica internacional, o Itamaraty atua de forma auxiliar na tramitação de documentos.

Pacto de Impunidade

O porta-voz da Presidência argentina, Manuel Adorni, negou que exista um “pacto de impunidade” entre Jair Bolsonaro (PL) e o presidente da Argentina, Javier Milei, para garantir asilo político aos investigados e condenados pelos ataques do 8 de janeiro.

Em conversa com jornalistas, nessa quarta-feira (19), o porta-voz afirmou que a entrada de fugitivos no país é um tema judicial, e não político. “Se a Justiça do Brasil solicita à Argentina determinada questão será uma decisão da Justiça local qual a medida a se tomar. A Justiça local não se aparta da lei”, disse Adorni.

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation