Cuiabá, 22 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Polícia Quinta-feira, 09 de Maio de 2024, 14:33 - A | A

09 de Maio de 2024, 14h:33 A- A+

Polícia / OPERAÇÃO "PORTO DE AREIA"

Grupo investigado por extorsão na Capital é alvo da Polícia Civil e tem quebra de sigilo telefônico

Os mandados judiciais de medidas cautelares foram decretados pelo NIPO em desfavor de seis homens que são investigados por roubo, extorsão, associação criminosa e ameaça

ELISA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

Oito ordens de busca e apreensão e quebra de sigilo telefônico, foram cumpridos na Operação “Porto de Areia”, deflagrada na quarta-feira (08), pela Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Cuiabá.

Os mandados judiciais de medidas cautelares foram decretados pelo Núcleo de Inquéritos Policiais (NIPO), em desfavor de seis homens que são investigados pela Derf de Cuiabá, por roubo, extorsão, associação criminosa e ameaça.

Em 2023 a vítima procurou à Derf de Cuiabá para registrar a ocorrência, e narrou ter tentado fechar parceira com um dos suspeitos, o qual configuraria como sócio em sua empresa do ramo de lapidação de diamantes e extração de areia.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL 

No acordo foi acertado que o suspeito efetuaria o pagamento de sua parte com cheques e maquinários, supostamente seus. No entanto, após 10 dias do negócio celebrado, os reais proprietários das máquinas foram até a empresa da vítima e tomaram os equipamentos por falta de pagamento, uma vez que estavam alienadas. Já os cheques não foram pagos pois estavam sem provisão de fundos,  ocasionado a não concretização da sociedade. 

Depois de seis meses, o suspeito inconformado com a não concretização do negócio, passou a procurar e ameaçar os familiares da vítima. O investigado chegou a enviar mensagem de áudio pelo aplicativo do WhatsApp, dizendo que havia contratado pessoas para matar a vítima.

Entre as condutas criminosas, o suspeito chegou a ir até a sede da empresa de lapidação de diamantes e trocou todas as fechaduras das portas, impossibilitando a entrada da vítima no local.

Para ingressar na sala, o proprietário arrombou as portas e ao acessar o interior do imóvel, identificou que diversos documentos importantes, máquinas, além de equipamentos de HD das câmeras de segurança haviam sido subtraídos pelo então “ex-sócio”.

Por fim, de forma orquestrada, 02 “cobradores” na companhia de um suspeito invadiram o Porto de Areia (local de extração de areia e minérios), e subtraíram mediante violência  uma carreta que lá se encontrava. No dia seguinte ao fato, houve uma tentativa de tomada da posse da área (Porto de Areia) pelo grupo investigado. 

INVESTIGAÇÃO

Diante das informações os policiais civis passaram a apurar os fatos, sendo descoberto que um dos suspeitos aplicava golpes milionários de forma costumeira em diversas empresas de Mato Grosso. 

O estelionato ocorria depois dele conseguir se tornar sócio dos estabelecimentos. Pois ao obter poderes específicos outorgados para realizar determinados negócios jurídicos em nome das empresas, cometia os golpes. 

Durante as diligências identificou-se a participação de seis pessoas, sendo cinco delas lideradas pelo suspeito. Razão pela qual à Derf de Cuiabá representou pelos pedidos de medidas cautelares visando a apreensão dos aparelhos celulares dos investigados.

Os mandados foram cumpridos na quarta-feira (08), em endereços nos bairros Alvorada, Jardim Aclimação, Parque das Nações, 1º de Março, Duque de Caxias II, no Condomínio Vale Gramado situado na Rodovia Hélder Cândia, e na Cohab Cristo Rei em Várzea Grande.

Após as buscas, todo material apreendido será encaminhado para a Perícia Técnica e Identificação Oficial (Politec), para continuidade da investigação policial.

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO