Cuiabá, 21 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Segunda-feira, 29 de Abril de 2024, 11:28 - A | A

29 de Abril de 2024, 11h:28 A- A+

Internacional /

Rompimento de barragem e fortes chuvas no Quênia deixam ao menos 35 mortos

Outras dezenas de pessoas estão desaparecidas; mais de 100 já morreram e milhares abandonaram suas casas desde março em um ano de grandes inundações no país, segundo o governo

DA CNN

Pelo menos 35 pessoas morreram e dezenas de outras estão desaparecidas após o rompimento de uma barragem no sul do Quênia, destruindo casas e veículos enquanto o país enfrenta semanas de fortes chuvas e enchentes devastadoras.

As equipes de resgate estão escavando a lama e os escombros tentando encontrar sobreviventes perto de Mai Mahiu, no condado de Nakuru, no Quênia, segundo disse a governadora Susan Kihika à CNN, alertando que o número de mortos pode aumentar significativamente.

O incidente ocorre num momento em que as inundações cobriram grandes áreas do Quênia, matando pelo menos 103 pessoas e forçando milhares de residentes a abandonarem as suas casas desde março, disse o porta-voz do governo, Isaac Maigua Mwaura, nesta segunda-feira (29).

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

Em Mai Mahiu, Kihika disse que uma situação grave estava se desenrolando à medida que as enchentes arrastavam pessoas e casas.

“Estamos tentando controlar a situação, mas é um pouco esmagadora, mas estamos fazendo o melhor que podemos, especialmente para alcançar aqueles que foram levados, porque esperamos que alguns ainda estejam vivos”, disse Kihika.

O acesso a Mai Mahiu, 32 quilômetros a norte da capital Nairóbi, foi difícil porque parte da estrada foi cortada devido às fortes chuvas recentes, disse Kihika. As equipes estão limpando os escombros enquanto tentam alcançar os sobreviventes e retirar os corpos, acrescentou ela.

Na segunda-feira, a Sociedade da Cruz Vermelha do Quênia disse que várias pessoas foram levadas para uma unidade de saúde em Mai Mahiu devido às inundações repentinas que afetaram a aldeia de Kamuchiri.

Uma vista da área enquanto os moradores do bairro de Mathare tentam evacuar a área com seus pertences importantes em Nairobi, Quênia, em 24 de abril de 2024 / Gerald Anderson/Anadolu via Getty Images

“As águas da enchente teriam se originado de um rio próximo que transbordou”, disse o grupo.

O Quênia registou fortes chuvas desde meados de março, mas as chuvas intensificaram-se na última semana, provocando inundações em massa.

“O Quênia está enfrentando um agravamento da crise de enchentes devido aos efeitos combinados do El Niño e das longas chuvas de março a maio de 2024”, disse o secretário-geral e CEO da IFRC, Jagan Chapagain, em uma postagem no X, referindo-se ao padrão climático que se origina no Oceano Pacífico ao longo do equador e impacta o clima em todo o mundo.

“Desde novembro de 2023, o El Niño provocou inundações devastadoras e transbordamentos de rios, causando mais de uma centena de mortes e danos generalizados.”

Cerca de 131.450 pessoas foram afetadas pelas cheias que atingiram quase metade do Quênia.

Imagens e vídeos de Nairóbi, que foi gravemente impactada, mostram pessoas presas nos telhados ou resgatando o que podem das casas destruídas pelas enchentes.

Outro vídeo mostra grandes inundações ao redor do rio Tana, com grande parte da área circundante submersa. Estradas, edifícios e veículos estão submersos.

O Ministério da Educação anunciou segunda-feira que todas as escolas primárias e secundárias iriam adiar o início do novo período letivo por uma semana, até 6 de maio.

No domingo, a Sociedade da Cruz Vermelha do Quênia disse que 23 pessoas foram resgatadas e outras estavam desaparecidas depois de um barco ter virado em Kona Punda enquanto se dirigia para Mororo, no condado de Tana River, no domingo.

Até sexta-feira, o grupo disse ter resgatado mais de 300 pessoas desde o início das chuvas em março.

As fortes chuvas na África Oriental também afetaram a Tanzânia e o Burundi. O primeiro-ministro da Tanzânia, Kassim Majaliwa, disse na quinta-feira que pelo menos 155 pessoas morreram nas enchentes no país.

(Com informações de Larry Madowo, Irene Nasser e Helen Regan, da CNN)

 

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation