Cuiabá, 21 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Polícia Sexta-feira, 09 de Fevereiro de 2024, 15:01 - A | A

09 de Fevereiro de 2024, 15h:01 A- A+

Polícia / OPERAÇÃO TIRADENTES

Polícia federal apura corrupção passiva no Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul

Foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão e suspensão do exercício da função pública

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

Na manhã desta quinta-feira (8) a Polícia Federal de Mato Grosso do Sul deflagrou a Operação Tiradentes para investigar a prática de corrupção passiva e lavagem de capitais por membro do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul (TJMS).

De acordo com a PF, autorizados pelo Superior Tribunal de Justiça, nas cidades de Campo Grande (MS) e Bonito (MS), os policiais federais cumprem nove mandados de busca e apreensão. A decisão também determinou a proibição de acesso do investigado às dependências do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, em quaisquer de suas sedes, além da comunicação com funcionários e utilização de seus serviços, seja diretamente ou por interposta pessoa, sob pena de decretação da prisão preventiva.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

As investigações, que contaram com o apoio da Receita Federal, tiveram início a partir dos desdobramentos de decisão monocrática proferida pelo desembargador investigado, que concedeu liminarmente, em sede de habeas corpus, prisão domiciliar condicionada à monitoração eletrônica de indivíduo vinculado à facção criminosa e que ostentava vasto histórico de envolvimento em crimes de tráfico internacional de drogas, lavagem de capitais e organização criminosa.

Embora a citada decisão tenha sido revogada no dia seguinte por outro desembargador, o beneficiário da decisão já havia rompido a tornozeleira eletrônica e fugido, não tendo sido ainda recapturado.

Os crimes investigados são de corrupção passiva e lavagem de capitais, além de outros que possam restar evidenciados ao longo da apuração.

As investigações seguem em segredo de justiça no âmbito do STJ.

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation