Cuiabá, 21 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Polícia Sexta-feira, 05 de Abril de 2024, 08:27 - A | A

05 de Abril de 2024, 08h:27 A- A+

Polícia / "DETRACTIO"

Operação da Polícia Civil prende três assaltantes de cooperativa de crédito em Juruena

Dois mandados de prisão foram cumpridos em Colniza e um em Vilhena; criminosos tentaram assaltar a agência, após fazer o gerente e esposa como reféns

ELISA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

A Polícia Civil prendeu nesta quinta-feira (04), em cidades de Mato Grosso e Rondônia, três criminosos que participaram do roubo a uma cooperativa de crédito na cidade de Juruena, no noroeste mato-grossense, em setembro do ano passado. Dois estão foragidos e são procurados pelas Polícias Civis. 

Os alvos da Operação Detractio foram presos nas cidades de Colniza e Vilhena, com apoio das equipes da Delegacia Regional de Juína, Delegacia de Coniza e Delegacia Regional de Vilhena. 

O crime, investigado pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), ocorreu em 04 de setembro de 2023, na agência de uma cooperativa de crédito com unidades em diversos municípios de Mato Grosso. 

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

Os mandados de prisão foram expedidos pela Vara Criminal da Comarca de Cotriguaçu, que atende o município de Juruena. 

O inquérito policial instaurado pela GCCO apura os crimes de roubo majorado e associação criminosa qualificada.

Só no sapatinho 

A investigação identificou os cinco integrantes da associação criminosa que planejaram o assalto ao banco na modalidade conhecida como ‘só no sapatinho. Na ocasião, quatro deles seguiram até Juruena em um veículo de um dos criminosos. Dois deles invadiram a casa do gerente da agência, na noite de três de setembro e fizeram a vítima e sua esposa de reféns. Após passarem a noite no imóvel, mantendo o casal em cárcere privado, no dia seguinte pela manhã, os criminosos deixaram a mulher amarrada na casa e seguiram com o gerente até o banco para concretizar o roubo. 

A modalidade criminosa é conhecida por “só no sapatinho” porque a ação é feita de forma dissimulada, sem alarde, a fim de não levantar suspeitas de que um crime está em andamento. Contudo, a intenção dos criminosos foi frustrada, pois com a chegada de policiais militares à agência, a ação saiu de controle eque estava dentro da agência fez mais três reféns, dois funcionários do banco que chegavam para trabalhar e um cliente que estava nos terminais de saque, obrigados a formar um escudo humano para que os assaltantes conseguissem fugir. 


Outros dois criminosos aguardavam na rua, dentro de um veículo, para dar suporte na fuga dos comparsas. Com a chegada dos policiais, a dupla que estava do lado de fora da agência fugiu. 

Os dois que estavam com os reféns pegaram o carro do gerente e fugiram por uma estrada vicinal, abandonando o veículo e os reféns a 35 quilômetros de Juruena. Após a dupla passar cinco dias em fuga pela mata da região, um quinto comparsa foi até o local em que estavam escondidos e os resgatou, usando o mesmo veículo empregado inicialmente na ação. 

Foragidos 

Estão foragidos Valque Mendes da Silva e Cleiton Rosa Mendes. Informações que possam levar ao paradeiro de ambos podem ser informadas ao disque denúncia da Polícia Civil, no 197.

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation