Cuiabá, 22 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Polícia Sábado, 01 de Junho de 2024, 09:16 - A | A

01 de Junho de 2024, 09h:16 A- A+

Polícia / CASO DJIDJA CARDOSO

Família de ex-sinhazinha liderava seita que promovia uso de ketamina, diz polícia

Grupo prometia aos seguidores a transcendência para outra dimensão e a salvação em um plano superior

CAROL QUEIROZ
DA CNN

A Polícia Civil do Amazonas informou nesta sexta-feira (31) que a família de Djidja Cardoso, ex-sinhazinha do Boi Garantido, liderava uma seita religiosa chamada “Pai, Mãe, Vida”. Segundo as investigações, a organização prometia aos seguidores a transcendência para outra dimensão e a salvação em um plano superior.

Dilemar Cardoso Carlos da Silva, Djidja, como era conhecida, morreu aos 32 anos na casa em que vivia, no bairro Cidade Nova, em Manaus. O caso ocorreu na última terça-feira (28).

Conforme a Policia Civil, as investigações sobre a existência da seita e a prática de crimes começaram há 40 dias, antes da morte de Djidja. Nesse tempo, foi descoberto que o grupo obtinha a droga ketamina em uma clínica veterinária, sem qualquer tipo de receita ou controle, e distribuía entre os funcionários da rede de salões de beleza.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

De acordo com o delegado Cícero Túlio, titular do 1° DIP, no âmbito das atividades da seita foram identificadas duas pessoas que teriam sido mantidas em cárcere privado, nuas e privadas de higiene por vários dias. Como resultado desses atos, uma das vítimas, que estava grávida, sofreu um aborto.

Durante as investigações, acrescenta o delegado, foi possível identificar Ademar Farias Cardoso Neto, 29 anos, e a mãe dele, Cleusimar Cardoso Rodrigues, 53, como fundadores da seita. Eles são, respectivamente, irmão e mãe de Djidja Cardoso.

Túlio acrescenta que a seita contava com a colaboração dos funcionários da rede de salões de beleza Verônica da Costa Seixas, 30 anos, e Claudiele Santos da Silva, 33 anos, além de Marlisson Vasconcelos Dantas, que está foragido. Eles eram encarregados de persuadir funcionários e pessoas próximas à família a se associarem à seita, onde as drogas de uso veterinário eram utilizadas.

Os líderes da seita persuadiam os seguidores a acreditar que, ao usarem compulsivamente a ketamina, poderiam transcender para outra dimensão e alcançar um plano superior, onde encontrariam a salvação. A ketamina –também conhecida como cetamina– é um tipo de anestésico.

Durante a operação realizada na tarde de quinta-feira (30), foram apreendidas centenas de seringas, produtos para acesso venoso, agulhas e ketamina, além de celulares, documentos e computadores.

O grupo responderá por tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas, por colocar em risco a saúde ou a vida de terceiros, falsificação, corrupção, adulteração de produtos destinados a fins terapêuticos e medicinais, aborto induzido sem o consentimento da gestante, estupro de vulnerável, charlatanismo, curandeirismo, sequestro, cárcere privado e constrangimento ilegal.

Substâncias apreendidas durante operação que investiga a morte de Djidja Cardoso
Substâncias apreendidas durante operação que investiga a morte de Djidja Cardoso / Divulgação/Polícia Civil do Amazonas

Morte da ex-sinhazinha

A morte de Djidja está sendo investigada pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Inicialmente, a suspeita é de que a ex-sinhazinha tenha sido vítima de uma overdose devido ao uso excessivo de ketamina durante um dos rituais da seita religiosa liderada pela família.

A Polícia Civil aguarda o resultado do exame de necropsia realizado pelo Instituto Médico Legal (IML). Conforme as autoridades de segurança, Djidja também fazia parte da seita, sendo, inclusive, alvo das investigações.

 

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO