Cuiabá, 20 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Segunda-feira, 18 de Março de 2024, 11:28 - A | A

18 de Março de 2024, 11h:28 A- A+

Internacional /

Níger põe fim a acordo militar com EUA e pede saída de tropas do país

Fim do acordo com EUA é mais um passo do afastamento do governo do Níger de países do Ocidente

JUNIO SILVA
DO METRÓPOLIS

Níger anunciou o fim da parceria militar com os Estados Unidos, que permitia a presença de militares e funcionários civis na região. A decisão foi divulgada nesse sábado (16/6), pelo coronel Amadou Abdramane, porta-voz da junta militar que governa o país africano desde julho de 2023, após um golpe de Estado.

Em um comunicado televisivo, o porta-voz classificou a parceria, que permitia a presença de funcionários do Departamento de Defesa dos EUA no Níger, de injusta e “unilateralmente imposta por Washington”.

Na época, o acordo possibilitou a presença de militares e funcionários dos EUA no país para o combate a grupos terroristas ligados a Al-Qaeda e ao Estado Islâmico, que passaram a ganhar influência e aumentar a presença na África Ocidental. Segundo o governo norte-americano, cerca de 1.100 funcionários trabalhavam no Níger no último ano.

A decisão dos militares que governam o Níger aconteceu após a visita de uma delegação dos EUA, liderada pela Secretária de Estado Adjunta para Assuntos Africanos, Molly Phee, no início desta semana. Washington afirmou que a agenda buscou discutir o “regresso do Níger a uma via democrática” e o futuro da parceria militar com Niamei.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

De acordo com Abdramane, o encontro não foi bem visto pelos governantes nigerinos por não seguir protocolos diplomáticos como a informação prévia dos integrantes da delegação, datas e a agenda que seria tratada no país. Segundo o porta-voz, durante a reunião o governo do Níger teria sido ameaçado de retaliação por conta das escolhas da junta militar, que se distanciou de parceiros históricos após assumir o poder.

“O Níger lamenta a intenção da delegação norte-americana de negar ao povo soberano do Níger o direito de escolher os seus parceiros e tipos de parcerias capazes de realmente ajudá-los a lutar contra o terrorismo”, disse Abdramane.

Mudanças regionais

A decisão de expulsar estadunidenses do Níger segue uma linha de afastamento do país de antigos aliados do Ocidente desde que militares derrubaram o então presidente Mohamed Bazoum, em julho do ano passado, declarando o general Adbourahamane Tchiani como novo comandante do país.

Após a chegada dos militares ao poder no país a parceria histórica com a França ficou estremecida. Meses após a mudança de regime, Emmanuel Macron anunciou a retirada de um contingente de quase 1,5 mil militares que operavam no país na luta contra jihadistas na faixa do Sahel.

Com o afastamento do país colônia, o Níger seguiu o caminho de países vizinhos como Mali e Burkina Faso, que após golpes militares se afastaram da influência europeia e buscaram uma maior aproximação de países como a Rússia e Irã.

 

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation