Cuiabá, 21 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,44
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Quinta-feira, 30 de Maio de 2024, 11:24 - A | A

30 de Maio de 2024, 11h:24 A- A+

Internacional /

Júri volta a deliberar se Donald Trump é culpado ou não em caso de suborno

Não ficou claro quando os 12 jurados e seis suplentes chegariam a um veredito que poderia potencialmente destruir as esperanças de Trump de reconquistar a Casa Branca

JACK QUEEN
DA REUTERS

Os jurados do julgamento de Donald Trump retornaram para um segundo dia de deliberações, nesta quinta-feira (30), aplicando um escrutínio extra a duas testemunhas de alto perfil enquanto avaliam o destino do primeiro presidente dos EUA a ser acusado de um crime.

Não ficou claro quando os 12 jurados e seis suplentes chegariam a um veredito que poderia potencialmente destruir as esperanças de Trump de reconquistar a Casa Branca do presidente democrata Joe Biden como candidato republicano nas eleições de 5 de Novembro.

Uma condenação não impedirá Trump de fazer campanha para a presidência. Nem o impedirá de assumir o cargo se vencer.

Os jurados pediram ao juiz Juan Merchan que repetisse as instruções detalhadas que lhes deu para orientar suas deliberações.

Os promotores de Nova York acusaram Trump, de 77 anos, de falsificar documentos comerciais para tentar encobrir um pagamento secreto à estrela pornô Stormy Daniels nas últimas semanas da eleição presidencial de 2016. Trump se declarou inocente e nega qualquer irregularidade.

Os jurados pareciam estar observando de perto o depoimento da principal testemunha Michael Cohen, o ex-advogado de Trump que pagou os US$ 130 mil em suborno que garantiu que Daniels não contaria aos eleitores sobre seu suposto encontro sexual com Trump em 2006. Trump nega ter feito sexo com Daniels.

Cohen também testemunhou que ele e Trump discutiram um plano para reembolsá-lo através de pagamentos mensais disfarçados de honorários advocatícios – a suposta conduta que motivou as acusações criminais.

Os jurados pediram a Merchan uma transcrição de partes do depoimento de Cohen.

Eles também pediram a Merchan o testemunho de David Pecker, ex-editor do tabloide National Enquirer, que disse aos jurados que trabalhou com Trump para suprimir histórias que poderiam ter prejudicado a campanha do empresário que virou político.

Os advogados de Trump disseram que o testemunho de Cohen não é confiável, apontando para sua ficha criminal e um histórico de mentiras. Merchan também disse aos jurados que eles precisavam examinar cuidadosamente seu depoimento porque ele era cúmplice dos atos que descreveu.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

Os promotores disseram que e-mails e outras evidências apoiam o testemunho de Cohen.

Os jurados devem chegar a qualquer veredito por unanimidade. Se não conseguirem resolver as suas diferenças, Merchan pode ordenar a anulação do julgamento.

Os promotores do gabinete do procurador distrital de Manhattan, Alvin Bragg, enfrentam o ônus de provar a culpa de Trump “além de qualquer dúvida razoável”, o padrão da lei dos EUA.

As pesquisas de opinião mostram que Trump e Biden travam uma disputa acirrada. Mas uma pesquisa Reuters/Ipsos concluiu que um veredito de culpa poderia custar o apoio de Trump.

Trump pode pegar até quatro anos de prisão se for considerado culpado, mas aqueles que são considerados culpados do crime pelo qual ele é acusado são mais frequentemente multados ou recebem liberdade condicional.

Trump enfrenta outros três processos criminais, mas não se espera que sejam julgados antes das eleições de novembro. Trump se declarou inocente de todos eles.

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO