Cuiabá, 21 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,46
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Segunda-feira, 27 de Maio de 2024, 16:34 - A | A

27 de Maio de 2024, 16h:34 A- A+

Política e Eleições / MEDIDA FISCAL

Taxação de blusinhas: Haddad vê assunto polarizado e pede debate técnico

Ministro diz que mais importante é debate acontecer, pois situação tributária sobre tema está só “piorando”

CRISTIANE NOBERTO
DA CNN

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, vê a volta da taxação de compras de até US$ 50 (R$ 258,72 na cotação atual) em e-commerces internacionais como “um assunto que está polarizado” e que precisa de um “debate técnico”.

Na semana passada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que a “tendência” seria vetar o trecho que acaba com a isenção, incluída como um “jabuti” no projeto de lei Mobilidade Verde e Inovação, o Mover, mas que também poderia “negociar”.

Ao ser questionado se havia alguma orientação por parte da Fazenda para que o presidente vetasse o trecho, Haddad afirmou que não, que a orientação é “fazer o debate acontecer”.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

“Isso não pode ser responsabilidade de uma pessoa. É um assunto que está polarizado, e o que nos importa é que o debate técnico se estabeleça para saber o que é melhor para o país. Mas isso é um assunto que vai acabar sendo discutido por mais do que um ator, para chegar a um denominador comum”, disse à jornalistas nesta segunda-feira (27) na portaria da sede da pasta em Brasília.

O chefe da equipe econômica não respondeu se acredita que o assunto deva ser tratado via projeto de lei, como vem sendo ventilado no Congresso Nacional, mas pontuou que o mais importante é o debate acontecer, pois a situação tributária sobre o tema está só “piorando”.

“Hoje pelo menos você tem um debate estabelecido no Congresso Nacional, no Supremo Tribunal Federal (STF) também, as confederações estão mobilizadas. É importante saber o que está acontecendo, a repercussão para a economia, para tomar a melhor decisão, evidentemente envolvendo a Presidência da República, que afinal de contas é quem vai sancionar ou não o projeto”, disse.

No parecer do Mover, o relator, deputado Átila Lira (PP-PI), justifica que o fim da isenção tem o objetivo de evitar “desequilíbrio” em relação à indústria nacional. Para o governo, no entanto, a taxação pode gerar perda de popularidade.

Além disso, alas do governo avaliam que o retorno fiscal da medida não compensaria a repercussão negativa.

Medida compensatória para desoneração

O ministro também afirmou que vai enviar ao Congresso Nacional, nesta semana ou na próxima, uma Medida Provisória (MP) com uma medida compensatória para a perda de receitas com a desoneração da folha de pagamentos a 17 setores da economia e da folha previdenciária dos municípios.

“Pode ser essa semana, é uma questão de deliberar, sobretudo junto ao Senado, porque o tema está mais afeito ao Senado, o que é melhor, mas para nós está bem encaminhada a situação. Como não tem impacto esse ano, a desoneração está garantida para esse ano, ela para nós é tranquila. Essa semana ou semana que vem, a compensação vai na forma de medida provisória”, disse.

 

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO