Cuiabá, 14 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 16:40 - A | A

21 de Junho de 2024, 16h:40 A- A+

Política e Eleições / INOVAÇÃO NO BRASIL

Sistema Nacional de Economia de Impacto vai aliar desenvolvimento econômico e social

A economia de impacto promove um ambiente de negócios voltado a soluções para problemas sociais e ambientais, gerando inclusão, renda e desenvolvimento econômico

ELISA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

Para fortalecer a economia de impacto em todas as regiões do País, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) instaurou, nesta quinta-feira (20), o Simpacto, um sistema nacional que irá promover o alinhamento das legislações de estados e municípios brasileiros com as diretrizes da Estratégia Nacional de Economia de Impacto (Enimpacto).

A economia de impacto é aquela que promove um ambiente de negócios voltado a soluções para problemas sociais e ambientais, gerando inclusão, renda, bem-estar social, inovação e desenvolvimento econômico.

O Simpacto é um sistema uniformizado que irá desenvolver parcerias com as políticas públicas dos estados, observando as especificidades de cada território, para fomentar iniciativas de impacto.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo linkFTN BRASIL 

A cerimônia que instaurou o Simpacto contou com a presença do secretário executivo do MDIC, Márcio Elias Rosa, e do secretário de Economia Verde, Descarbonização e Bioindústria, Rodrigo Rollemberg. Elias Rosa afirmou o compromisso do presidente Lula e do vice-presidente Geraldo Alckmin em concretizar uma política de desenvolvimento econômico com sustentabilidade social, econômica e ambiental. “Esse tripé está presente no Sistema Nacional de Economia de Impacto”, afirmou o secretário executivo.

Elias Rosa afirmou, ainda, que a sustentabilidade é um dos pilares das seis missões da Nova Indústria Brasil (NIB). “O nosso propósito é ver reestabelecido e fortalecido o  nosso parque industrial, a partir de novas bases, bases que assegurem, por exemplo, uma maior e melhor distribuição de renda e uma justiça social mais efetiva”, falou.

A cerimônia também contou com a assinatura de acordos de cooperação técnica (ACT) com os vice-governadores do Rio Grande do Norte, Walter Alves, e do Alagoas, Ronaldo Lessa, para inclusão dos estados ao sistema.

Alves afirmou que a inclusão do RN ao Simpacto irá alavancar os mercados da região, como a produção de energias renováveis, como a eólica e a solar, o turismo e a produção de frutas, como o melão. “Essa ação vai fazer a gente avançar ainda mais”, assegurou o vice-governador.

Lessa completou dizendo estar feliz por perceber o empenho  com um novo modelo de negócios. “Até que enfim uma geração que entendeu que tudo devia ser isso. Pode ser o dinheiro do mundo, porque não adianta vir se não fizer impacto socioambiental”, falou.

“Mais do que nunca, é indispensável que a gente desenvolva negócios que gerem renda, que gerem resultados financeiros aliados à solução de problemas sociais e ambientais. E o fato de estarmos aqui hoje, agregando estados, agregando municípios e agregando a sociedade civil de diversos estados e de diversos municípios me faz lembrar do ditado popular: quando mais abelha, mais mel. E é assim, juntando mais gente, mais estados e mais municípios, nós vamos conseguir impactar a vida das pessoas”, afirmou Rollemberg.

Ao aderir ao Sistema, os estados trabalharão em cinco eixos da política pública: 1) ampliação da oferta de capital para e economia de impacto; 2) aumento do número de negócios de impacto; 3) fortalecimento das organizações intermediárias; 4) promoção de ambiente institucional e normativo favorável aos investimentos e negócios de impacto e 5) articulação interfederativa com estados e municípios no fomento à economia de impacto.

De acordo com o Plano Decenal, a meta é que até 2032 todos os 26 estados e o Distrito Federal tenha aderido ao Simpacto. 

De acordo com o Plano Decenal, a meta é que até 2032 todos os 26 estados e o Distrito Federal tenham aderido ao Simpacto.

Enimpacto

A cerimônia aconteceu durante a reunião trimestral do Comitê de Economia de Impacto, colegiado composto por organizações públicas e privadas e que integra a Estratégia Nacional de Economia de Impacto. Além dos avanços dos 5 grupos de trabalho da Enimpacto, os presentes aprovaram o documento “G20 pelo Impacto”, um texto que agrupou recomendações de fomento à economia de impacto, elaborado no âmbito da Enimpacto e da coalizão G20 pelo Impacto, e será apresentado a presidência do G20.

Além do MDIC, participam do Enimpacto os ministérios do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA), Relações Exteriores (MRE); do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS); da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); da Fazenda (MF); do Trabalho e Emprego (MTE); da Educação (MEC); do Planejamento e Orçamento (MPO); da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI);  a Casa Civil  e a Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, além de outros órgãos e entidades, além de representantes da iniciativa privada.

Economia de Impacto

Atualmente, o Brasil possui cerca de mil negócios de impacto, que movimentaram cerca de R$ 18 bi em investimentos.   Os empreendimentos de impacto promovem efeitos positivos para a regeneração, restauração e renovação dos recursos naturais. Promovem, também, a inclusão de comunidades para tornar o sistema econômico mais equitativo.

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation