Cuiabá, 13 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,37
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 07:54 - A | A

22 de Maio de 2024, 07h:54 A- A+

Política e Eleições / "INDICAÇÃO BIÔNICA"

Senador critica aumento de ministérios e diz que Lula faz uso político e desrespeita gaúchos

Segundo Girão, o déficit nominal do Brasil atingiu R$ 998 bilhões em abril, comparável ao período mais crítico da pandemia

ELISA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O senador Eduardo Girão (Novo-CE) criticou a nomeação de Paulo Pimenta para o recém-criado Ministério Extraordinário de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, durante pronunciamento no Plenário nesta terça-feira (21). Para o senador, a decisão remonta a “práticas da ditadura militar, onde cargos eram preenchidos por indicação direta do presidente, desconsiderando a escolha popular”.

"Essa iniciativa, totalmente desnecessária, é puro oportunismo político, diante de uma terrível calamidade, cuja reconstrução teria, obviamente, como coordenador natural, o governador Eduardo Leite [...]. Fazer uso político disso, colocando uma nomeação biônica, é um desrespeito, no meu modo de entender - respeito quem pensa diferente, ao povo gaúcho. O povo gaúcho elegeu um governador. Em situações graves, é o governador que tem que resolver isso", reforçou.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL 

Girão anunciou o envio de R$ 1 milhão em emendas parlamentares para auxiliar o Rio Grande do Sul. Ele também defendeu o projeto de lei (PL 1.537/2024), que propõe o remanejamento de R$ 2,2 bilhões do Fundo Eleitoral para a reconstrução do estado.

"É um dever moral de todos nós aqui falar com as nossas lideranças de partido para abrir mão desse vergonhoso Fundo Eleitoral, de pelo menos 50%, para mandar para o Rio Grande do Sul imediatamente", defendeu.

O parlamentar voltou a criticar o aumento do número de ministérios no atual governo para 39, o que na visão dele vai contribuir para o agravamento da crise fiscal do país. Segundo Girão, o déficit nominal do Brasil atingiu R$ 998 bilhões em abril, comparável ao período mais crítico da pandemia.

 

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO