Cuiabá, 12 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,41
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Sexta-feira, 24 de Maio de 2024, 13:32 - A | A

24 de Maio de 2024, 13h:32 A- A+

Política e Eleições / POLÍTICAS PÚBLICAS

"Novo PAC projeta alavancar volume de projetos e diminuir custos dos serviços para a população", afirma Rui Costa

O ministro da Casa Civil destacou que o governo federal quer financiar na melhor condição possível o objeto dos projetos e dos leilões

ELISA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou que o fluxo de recursos para por de pé projetos de infraestrutura em todo país deve se amparar na ampliação do volume e na redução de custos à população. Este objetivo do Governo Federal para a carteira de projetos e obras do Novo PAC foi compartilhado pelo ministro, responsável pela coordenação do plano de investimentos. A declaração foi feita durante sua participação no ABIDIB Fórum - Infraestrutura: Bases para a Neoindustrialização e Desenvolvimento Sustentável, nesta quinta-feira (23), em Brasília.

Rui Costa afirmou que a atual gestão prioriza a plena execução dos empreendimentos que integram a carteira de projetos das PPPs e concessões. Ele explicou que uma outorga muito alta significa um custo financeiro elevado e que esse recurso não será aplicado necessariamente no objeto que foi licitado. “Acaba indo para o cofre do município, do estado, da União para outras finalidades e fica o custo para o consumidor daquele serviço, seja de uma estrada, de um aeroporto, de água tratada ou de saneamento”, exemplificou Rui Costa.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL 

Em paralelo ao andamento da execução de obras, um conjunto de decretos e portarias está sendo editado e publicado para dar maior dinâmica às obras do Novo PAC. O ministro Costa pontuou como exemplo a Portaria 33, que indicava possibilidade de paralisar demais obras se o ente conveniado não resolvesse o problema de uma obra em específico, em um prazo de 12 meses.

Ao ser questionado sobre como vê o Brasil daqui a dois anos, o ministro da Casa Civil afirmou que com uma infraestrutura melhor e com volume bastante expressivo de investimentos. “Nosso país funcionará melhor, terá melhor agilidade. Que nossas escolhas ajudem a alavancar o emprego, a renda e a melhorar a vida das pessoas”, concluiu.

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO