Cuiabá, 20 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Sexta-feira, 05 de Abril de 2024, 08:01 - A | A

05 de Abril de 2024, 08h:01 A- A+

Política e Eleições / AVANÇOS E DESAFIOS

Governador Riedel e secretário Verruck reúnem-se com setor produtivo para discutir investimentos e demandas

O encontro entre representantes do setor produtivo e o Chefe do Executivo estadual serviu para compartilhar o planejamento para os setores produtivo, logístico e de infraestrutura, além de receber demandas

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

O governador de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel, se reuniu com representantes de 52 sindicatos rurais do Estado, na tarde desta quinta-feira (4), na sede da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, onde apresentar o panorama dos investimentos realizados no setor produtivo de MS. O encontro também reuniu o secretário da Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), Jaime Verruck, além do presidente da Famasul, Marcelo Bertoni, e outras lideranças.

O encontro entre representantes do setor produtivo e o Chefe do Executivo estadual também serviu para compartilhar o planejamento para os setores produtivo, logístico e de infraestrutura, além de receber demandas.

”A gente tem buscado avançar, na modelagem do nosso plano de governo, para buscar colocar o Mato Grosso do Sul numa trilha de desenvolvimento em diferentes áreas. E isso acaba gerando resultado para todos. Começando no setor agropecuário, que é a base de todo esse desenvolvimento pelo qual estamos atravessando, mas também na industrialização. O caminho das cadeias produtivas de ida é tão importante quando o caminho de volta. Nós não estamos isolados no processo, precisamos trabalhar de maneira integrada. O setor agropecuário tem uma série de questões e desafios no dia a dia, estamos conscientes deles, e trabalhando para melhorar e mitigar, conquistando espaço de maior competitividade”, disse Riedel.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

O setor produtivo é um dos responsáveis por gerar emprego e renda, garantindo também a melhoria da qualidade de vida da população do Estado. “A gente tem conseguido desempenhar ações que tem gerado resultado para o estado, que teve crescimento acima da média em 2023, de 6.6% do PIB. Nosso desafio é a qualificação e a capacitação, para continuar a atrair investimentos. É isso que mantém a capacidade de gerar emprego, renda e oportunidades. A industrialização do Estado tem acontecido em alguns grupos de produção primária que fazem toda a diferença”.

Uma das conquistas recentes para o setor é a possibilidade de renegociação de dívidas do crédito rural para investimentos. A autorização do Conselho Monetário Nacional (CMN) foi divulgada esta semana, e os pedidos devem ser feitos até 31 de maio. Produtores de Mato Grosso do Sul e outros 15 estados, afetados por eventos climáticos ou pela queda de preços agrícolas, podem pedir a renegociação.

No início de março o governador, Eduardo Riedel, esteve com o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro e representantes do agronegócio de Estado, em busca de solução para o problema. Nesta safra foram cultivados em Mato Grosso do Sul, aproximadamente 4,2 milhões de hectares de soja, e a estimativa de produção é de 54 sacas por hectare. No entanto com a alta nos custos de produção e a estiagem, muitos agricultores estão colhendo menos que o previsto. Isso tem provocado grandes perdas que devem chegar a 40% na receita dos produtores e endividamento do setor.

“Estivemos com o ministro e colocamos clara e fortemente para que pudesse chegar neste momento de renegociação. O Mato Grosso do Sul é um dos pouquíssimos estados que praticamente todas as cadeias produtivas entrou na área de renegociação, pecuária de corte, leite, soja e milho. Temos um grande desafio pela frente, de trabalhar em busca de soluções. Se olharmos em perspectiva para os próximos dez anos, o Estado está num caminho extremamente positivo com o fortalecimento da agroindústria, competitividade na infraestrutura e logística”, finalizou Riedel.

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation