Cuiabá, 21 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,44
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Política e Eleições Terça-feira, 21 de Maio de 2024, 10:31 - A | A

21 de Maio de 2024, 10h:31 A- A+

Política e Eleições / APOIO AOS SERVIDORES

Comissão da Câmara dos Deputados promove audiência em apoio a mobilização de servidores da educação

Professores e servidores de 53 universidades e institutos federais estão em greve há mais de 30 dias

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

A Comissão de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados, em Brasília, estará promovendo audiência pública nesta quarta-feira (22), às 14 horas, em apoio à mobilização nacional dos servidores públicos em educação. O local da reunião ainda não foi definido.

A audiência foi proposta pela deputada federal Professora Luciene Cavalcante (Psol-SP). Ela lembra que, no mesmo dia, em Brasília, haverá a Marcha da Classe Trabalhadora, que reunirá servidores públicos de todo o Brasil, inclusive os da educação.

"Trata-se de mobilização da classe trabalhadora para apresentar ao Congresso Nacional uma agenda que promova o pleno emprego, salários mais justos e um desenvolvimento econômico e social para o País", explica Luciene.

Os manifestantes também pedem a retirada de pauta da Reforma Administrativa (PEC 32/20). O texto está pronto para ser votado no Plenário da Câmara.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

Em luta e reivindicação pela reestruturação de carreira e recomposição salarial e orçamentária, os professores e servidores de 53 universidades e institutos federais estão em greve há mais de um mês.

A greve tem tido grande adesão por parte dos professores e servidores das instituições federais, que estão unidos em busca de melhores condições de trabalho e valorização profissional.

Última proposta do Governo 

Na última semana, o governo federal ofereceu o aumento de 13,3% a 31% até 2026. No entanto, os aumentos só começariam em serem repassados a partir de 2025.

Neste caso, os índices de reajustes deixarão de ser unificados e variarão com base na categoria. Os que ganham mais terão o aumento mínimo de 13,3%. Quem recebe menos ganhará o reajuste máximo de 31%.

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO