Cuiabá, 20 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Segunda-feira, 11 de Março de 2024, 15:10 - A | A

11 de Março de 2024, 15h:10 A- A+

Internacional /

Serviço de espionagem de Putin acusa EUA de tentarem interferir nas eleições russas

SVR, o principal sucessor do serviço de espionagem da KGB, não apresentou quaisquer provas para as suas afirmações

GUY FAULCONBRIDGE
DA REUTERS

O serviço de inteligência estrangeira do presidente Vladimir Putin acusou, nesta segunda-feira (11), os Estados Unidos de tentarem se intrometer nas eleições presidenciais da Rússia e disse que Washington tem planos de lançar um ataque cibernético ao sistema de votação online.

Putin, que quase certamente vencerá as eleições presidenciais de 15 e 17 de Março, alertou o Ocidente que qualquer tentativa de potências estrangeiras de interferir nas eleições seria considerada um ato de agressão.

O Serviço de Inteligência Estrangeira (SVR) da Rússia disse em um comunicado que tinha informações de que o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, pretendia interferir nas eleições, informou a mídia estatal.

“De acordo com informações recebidas pelo Serviço de Inteligência Estrangeira da Federação Russa, a administração de J. Biden está estabelecendo uma tarefa para as ONGs americanas conseguirem uma diminuição na participação”, disse o SVR.

“Com a participação dos principais especialistas americanos em TI, está prevista a realização de ataques cibernéticos ao sistema de votação eletrônica remota, o que tornará impossível a contagem dos votos de uma proporção significativa de eleitores russos”, disse o SVR.

O SVR, o principal sucessor do serviço de espionagem da KGB, não apresentou quaisquer provas para as suas afirmações. Não houve reação imediata de Washington.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

O Ocidente apresenta Putin como um ditador, um criminoso de guerra e um assassino que levou a Rússia a uma apropriação de terras no estilo imperial que enfraqueceu a Rússia e forjou o Estado ucraniano, ao mesmo tempo que uniu o Ocidente e entregou à Otan uma missão pós-Guerra Fria.

Putin descreve a guerra na Ucrânia como uma batalha existencial entre uma civilização russa “sagrada” e um Ocidente arrogante que, segundo ele, está em declínio cultural, político e económico e que procurou humilhar a Rússia após a queda da União Soviética.

O Kremlin disse na semana passada que a Rússia não se intrometerá nas eleições presidenciais de novembro nos EUA e rejeitou as conclusões americanas de que Moscou orquestrou campanhas para influenciar as eleições presidenciais dos EUA de 2016 e 2020.

Putin, o líder supremo da Rússia desde 1999, fez uma série de comentários irônicos sobre as eleições nos EUA, dizendo que considera Joe Biden preferível como o próximo presidente dos EUA a Donald Trump.

 

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation