Cuiabá, 20 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Quinta-feira, 28 de Março de 2024, 11:12 - A | A

28 de Março de 2024, 11h:12 A- A+

Internacional /

Obama intervém para ajudar Biden a derrotar Trump novamente

Presidente dos EUA e Obama conversaram por horas na Casa Branca na última semana e alinharam estratégias de campanha, disseram fontes à CNN

MJ LEE, JEFF ZELENY
DA CNN

Barack Obama passou várias horas na última sexta-feira na sala de jantar familiar da Casa Branca, visitando o seu ex-vice-presidente, Joe Biden.

O clima era alegre enquanto a dupla trocava piadas, e a reunião serviu como uma espécie de pequena reunião para os respectivos funcionários dos dois presidentes – muitos dos quais se conheciam desde a Casa Branca de Obama.

Ainda assim, a ocasião não foi apenas dois velhos amigos conversando.

Obama deixou claro aos associados nos últimos meses que acredita que a intensificação da revanche de Biden com Donald Trump em novembro será incrivelmente acirrada e que a eleição de 2024 marca um momento de “toda a mão na massa”, disseram à CNN pessoas familiarizadas com sua opinião.

Para esse fim, o seu regresso ao número 1600 da Avenida Pensilvânia na semana passada foi em grande parte uma visita de trabalho.

Biden e Obama, juntamente com a ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, participaram numa chamada de organização na residência da Casa Branca, anunciando o 14º aniversário da Lei de Cuidados Acessíveis.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

“Temos a oportunidade de fazer ainda mais, mas isso só acontecerá se enviarmos Joe e Kamala de volta à Casa Branca em novembro”, disse Obama no vídeo. “Então, temos que continuar trabalhando.”

Fora das câmeras, Obama disse a Biden que achava que os comentários do presidente sobre o Estado da União no início deste mês tinham sido eficazes e estavam sendo bem sucedidos, de acordo com pessoas familiarizadas com a conversa.

Obama também enfatizou a Biden o quanto ele acredita que os cuidados de saúde serão uma questão politicamente potente e importante nas próximas eleições.

A campanha também gravou outros conteúdos com os dois presidentes, disseram fontes, que planejam lançar nas próximas semanas.

Obama e Biden conversam com frequência, disseram fontes, e o ex-presidente permanece em contato direto com alguns altos funcionários da Casa Branca, incluindo o chefe de gabinete de Biden, Jeff Zients, que trabalhou no governo Obama.

O ex-presidente deu uma ajuda ocasional a Biden desde o anúncio da reeleição do atual presidente no ano passado, particularmente através de apelos públicos para angariação de fundos e em conversas tranquilas na esperança de acalmar a preocupação de alguns democratas sobre a procura de Biden para um segundo mandato.

Espera-se que seu envolvimento com a campanha de Biden se intensifique à medida que as eleições gerais avançam, e assessores disseram que ele já concordou com várias aparições de campanha antes de novembro, enquanto trabalha para ajudar a reconstruir a coalizão vencedora de Biden a partir de 2020.

A maior adesão de Obama ao esforço de reeleição de Biden acontece nesta quinta-feira, em um evento de arrecadação de fundos repleto de estrelas em Manhattan, com Biden, Obama e o ex-presidente Bill Clinton. Os três presidentes terão uma rara conversa, moderada por Stephen Colbert.

Dificilmente será uma reunião rotineira do Clube dos Presidentes, e quando Clinton e Obama subirem ao palco do Radio City Music Hall, a sua aparição sublinhará o momento extraordinário na história americana, quando um presidente em exercício se vê envolvido numa luta amarga para manter o seu antecessor de retornar à Casa Branca.

“Ninguém pode falar melhor com os democratas desiludidos do que o presidente Obama”, disse à CNN um estrategista sênior que trabalhou em estreita colaboração com Obama e Biden, falando sob condição de anonimato para ser sincero sobre a campanha.

“Mas há limites para o que Obama pode fazer. O fardo de vencer esta corrida ainda recai sobre o presidente Biden.”

O presidente dos EUA, Joe Biden, e o ex-presidente Barack Obama em cerimônia em Washingtou em 2022 / Evelyn Hockstein/Arquivo/Reuters (07.set.22)

Participarão do evento de alto valor e com ingressos esgotados na noite desta quinta-feira, inúmeras celebridades e artistas como Queen Latifah, Lizzo, Cynthia Erivo, Mindy Kaling, Ben Platt e Lea Michele, de acordo com a campanha.

A noite será supervisionada pelos produtores de alto nível Jordan Roth e Alex Timbers, e os ingressos variarão de US$ 225 a US$ 500 mil.

Aproveitando a rara aparição conjunta de Biden e dois de seus antecessores, a campanha está oferecendo a alguns dos convidados mais valiosos a oportunidade de tirar fotos com os três presidentes pela famosa fotógrafa Annie Leibovitz.

Como presidente, Biden também manteve contato frequente com Clinton, dizem fontes conhecidas. Steve Ricchetti, um importante conselheiro de Biden que também trabalhou na Casa Branca de Clinton, também mantém contacto regular com o seu antigo chefe.

Aconselhamento e consulta relacionados às eleições de 2024 fizeram parte de todas essas conversas, disseram essas pessoas.

O apelo e a popularidade de Obama como um dos democratas nacionais mais conhecidos têm sido inegáveis.

Os esforços de arrecadação de fundos da campanha com o ex-presidente arrecadaram mais de US$ 15 milhões até agora neste ciclo, com um concurso “Conheça os Presidentes” apresentando apenas Biden e Obama arrecadando cerca de US$ 3 milhões, de acordo com a campanha.

Durante os próximos sete meses, uma área específica de atenção de Obama será fazer apelos à angariação de fundos e ajudar a motivar os jovens americanos, especialmente os eleitores negros e latinos, que são vistos pelos conselheiros de campanha como um ponto fraco para a candidatura de Biden.

Obama não tem planos de atacar agressivamente até o outono, quando começa a votação antecipada, seguindo um padrão que adotou desde que deixou o cargo. Salvar o antigo presidente até ao final da corrida – na altura em que os eleitores prestam mais atenção – é a forma como Obama e os seus conselheiros acreditam que ele pode ser mais eficaz.

Ainda não foram feitos planos de viagem firmes, disseram assessores, mas o ex-presidente provavelmente visitará campi universitários no outono, bem como grandes cidades em estados decisivos.

Obama não tem sido tímido em expressar a sua preocupação com a guerra de Israel em Gaza, que se tornou um dos maiores desafios de Biden – tanto na política externa como na política interna. Isto, juntamente com os direitos reprodutivos, será o foco principal da proposta de Obama aos eleitores.

Jim Messina, gerente de campanha de Obama em 2012, que tem atuado como conselheiro próximo da campanha de reeleição de Biden, disse à CNN que seu ex-chefe planeja fazer tudo o que puder para ajudar Biden a garantir um segundo mandato na Casa Branca.

Essa missão, disse Messina, só se tornou significativamente mais urgente com a emergência de Trump como o presumível candidato republicano.

“O presidente Obama disse-me uma vez que cada presidente é um reflexo do presidente anterior, e ele está certo”, disse Messina. “Trump era o completo oposto de Obama e Biden é o completo oposto de Trump.”

“Ser presidente dos Estados Unidos significa fazer parte de um pequeno clube; não há outro grupo de pessoas cujos sinais de alerta sobre a ameaça direta de Donald Trump devam ser levados mais a sério.”

Obama tem sido inequívoco sobre sua disposição de servir aos esforços de reeleição de seu ex-vice-presidente, disse um conselheiro sênior de Biden à CNN.

“Ele foi generoso com seu tempo e deixou bem claro que está totalmente envolvido nesta campanha”, disse o conselheiro.

(Kayla Tausche, da CNN, contribuiu para este texto)

 

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation