Cuiabá, 12 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,41
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 10:47 - A | A

11 de Junho de 2024, 10h:47 A- A+

Internacional /

Líder do Hamas: “Temos os israelenses exatamente onde queremos”, revela WSJ

Jornal americano divulgou mensagens vazadas do líder militar do grupo Yahya Sinwar

MOSTAFA SALEM, KYLIE ATWOOD
DA CNN

O jornal americano Wall Street Journal divulgou nesta segunda-feira (10) mensagens vazadas do líder militar do Hamas, Yahya Sinwar, onde ele afirma que o grupo tem vantagem sobre Israel na guerra em Gaza.

“Temos os israelenses exatamente onde queremos”, disse Sinwar à liderança política do Hamas no Catar recentemente. A data da mensagem não foi divulgada, mas sugere que Sinwar está pressionando para que a guerra continue.

O WSJ disse que analisou dezenas de mensagens de Sinwar enviadas aos negociadores da proposta de cessar-fogo.

O jornal americano informou que em uma mensagem Sinwar disse que as mortes de civis em conflitos anteriores eram “sacrifícios necessários”, citando guerras relacionadas à independência no passado em lugares como a Argélia.

Enquanto Israel se preparava para entrar em Rafah antes do Ramadã em fevereiro, o WSJ disse que Sinwar pediu aos líderes políticos do Hamas que não fizessem concessões e em vez disso pressionassem por um fim permanente da guerra.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo linkFTN BRASIL 

“A jornada de Israel em Rafah não será uma caminhada no parque”, disse Sinwar em uma mensagem à liderança política do Hamas.

CNN não viu as mensagens vazadas vistas pelo WSJ e não pode confirmar a autenticidade delas.

Mediadores estão aguardando uma resposta do Hamas a uma proposta israelense apresentada pelo presidente Joe Biden no mês passado – que visa libertar os reféns em Gaza e implementar um cessar-fogo.

Enquanto os EUA estão pressionando aqueles que têm influência sobre o Hamas para pressionar o grupo a aceitar o acordo, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, também deixou claro que os EUA acreditam que o líder do grupo, Sinwar, é responsável pela decisão final.

“Acho que há quem tenha influenciado, mas influência é uma coisa, na verdade tomar uma decisão é outra. Eu não acho que ninguém além da liderança do Hamas em Gaza tome uma decisão”, disse Blinken.

Blinken disse que a resposta do Hamas à proposta revelará as prioridades do grupo.

“Esperamos a resposta do Hamas e isso vai falar muito sobre o que eles querem, o que eles estão procurando, quem eles estão cuidando”, disse Blinken.

“Eles estão cuidando de um cara que pode estar a 10 andares subterrâneos em algum lugar em Gaza, enquanto as pessoas que ele diz que representa continuam sofrendo em um fogo cruzado de sua própria criação.”

Nas primeiras mensagens aos negociadores do cessar-fogo, Sinwar parecia “surpreso” com a brutalidade do ataque de 7 de outubro a Israel.

“As coisas saíram do controle”, disse Sinwar em uma de suas mensagens, de acordo com o WSJ, acrescentando que ele estava “se referindo aos militantes que levam mulheres e crianças civis como reféns.”

“As pessoas se envolveram nisso, e isso não deveria ter acontecido”, disse Sinwar, de acordo com o WSJ.

O líder do grupo também expressou descontentamento depois de não ter sido consultado para uma reunião entre os líderes políticos do Hamas com outras facções palestinas, chamando a reunião de “vergonhosa e ultrajante.”

“Enquanto os combatentes ainda estiverem de pé e não perdermos a guerra, esses contatos devem ser imediatamente encerrados”, disse ele, acrescentando que “temos as capacidades para continuar lutando por meses.”

Ele também comparou a guerra em Gaza a uma batalha do século VII em Karbala, no Iraque, um momento monumental na história islâmica onde o neto do profeta Maomé foi morto.

“Temos que seguir em frente no mesmo caminho que começamos”, escreveu Sinwar. “Ou que seja um novo Karbala.”

Seus comentários surgiram quando 14 dos 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas votaram a favor da resolução por um cessar-fogo – a primeira vez que o conselho aprovou tal plano para acabar com a guerra. Israel não é membro do conselho, e por isso não votou.

O abrangente acordo de paz de três estágios, que estabelece condições destinadas a levar à eventual libertação de todos os reféns remanescentes, em troca de um cessar-fogo permanente e retirada das forças israelenses, foi estabelecido pela primeira vez publicamente pelo presidente dos EUA, Joe Biden, em 31 de maio.

A votação histórica significa que o conselho agora se junta a outros grandes órgãos globais no apoio ao plano, aumentando a pressão internacional sobre o Hamas e Israel para acabar com o conflito.

O Hamas saudou a adoção da resolução do CSNU, dizendo em um comunicado que estava pronto para se envolver com mediadores para implementar medidas como a retirada das forças israelenses de Gaza, a troca de prisioneiros, o retorno de residentes às suas casas e a “rejeição de qualquer mudança demográfica ou redução na área da Faixa de Gaza.”

A resolução diz que Israel aceitou o plano, e as autoridades dos EUA enfatizaram repetidamente que Israel concordou com a proposta – apesar de outros comentários públicos do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, sugerirem o contrário.

 

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO