Cuiabá, 22 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Sábado, 01 de Junho de 2024, 09:27 - A | A

01 de Junho de 2024, 09h:27 A- A+

Internacional /

Israel confirma presença das forças no centro de Rafah

Governo israelense também disse ter encerrado as operações no leste de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza

TAMAR MICHAELIS, ROB PICHETA
DA CNN

As Forças de Defesa de Israel (FDI) confirmaram que os militares israelenses estão no centro de Rafah, em um comunicado nesta sexta-feira (31), apesar da preocupação internacional sobre a operação militar na cidade ao sul de Gaza.

A declaração das FDI confirma o que testemunhas oculares disseram à CNN no início desta semana, quando tanques foram avistados no centro de Rafah pela primeira vez desde que entraram na cidade no início deste mês.

Segundo o comunicado, “As tropas das FDI no centro de Rafah localizaram lançadores de foguetes, poços de túneis terroristas e armas do Hamas. As tropas também desmantelaram um depósito de armas do Hamas na área”.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL 

Na quarta-feira (29), os militares israelenses afirmaram ter estabelecido “controle operacional” sobre o Corredor Filadélfia, uma zona tampão de 14 quilómetros no lado palestino da fronteira entre o Egito e Gaza.

O acesso aos serviços de telefonia celular em Rafah foi interrompido na quinta-feira (30) devido à ofensiva israelense em curso, informou a empresa de telecomunicações palestina Jawwal, em comunicado.

O ataque de Israel em Rafah no início de maio marcou uma nova fase na guerra contra o Hamas em Gaza.

Segundo autoridades de saúde da região, o conflito matou mais de 36 mil palestinos, deslocou a maioria da população da faixa e desencadeou uma catástrofe humanitária que preocupa agências internacionais.

No fim de semana, Israel lançou um ataque aéreo a um campo de refugiados na cidade, matando dezenas de pessoas e criando insatisfação global. O ataque também derrubou dois líderes do Hamas, disse Israel.

Imagens obtidas pela CNN mostraram o acampamento em chamas, com dezenas de homens, mulheres e crianças tentando encontrar cobertura para o ataque noturno. Corpos queimados, inclusive de crianças, puderam ser vistos sendo retirados dos destroços pelas equipes de resgate.

“A palavra trágico nem sequer começa a descrevê-lo”, disse a vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, sobre o incidente na terça-feira (28). Contudo, Harris e presidente Joe Biden não disseram se o ataque ultrapassou a linha vermelha para o apoio dos EUA.

Biden disse em uma entrevista à CNN no início do mês de maio que não permitiria que certas armas americanas fossem usadas na ofensiva em Rafah.

A confirmação da presença das forças de Israel no centro de Rafah ocorreu no momento em que o governo israelense disse ter encerrado as operações no leste de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza.

Os militares afirmaram em um comunicado que as suas tropas destruíram mais de 10 quilómetros de túneis e locais de produção de armas na operação Jabalia, que começou no início deste mês e envolveu o que as forças descreveram como “combate intenso e encontros de curta distância com combatentes”.

O comunicado também informou que os corpos de sete reféns foram recuperados durante a operação. “Os reféns foram mortos em 7 de outubro e os seus restos mortais foram levados para Gaza”, disse.

Mahmoud Basal, porta-voz da defesa civil em Gaza, disse à CNN nesta sexta-feira (31) que Jabalia era uma “área de desastre” após a presença de Israel, com “praças residenciais inteiras” dizimadas.

“Infelizmente, o campo de Jabalia não é adequado para a vida”, disse Basal.

“Não há poços de água, escolas ou hospitais, todos completamente destruídos. Não há nada que permita a vida do cidadão nesta área, e há um grande número de mártires e casas que foram arrasadas com cidadãos dentro delas, e não podemos recuperar os corpos debaixo dos escombros”, acrescentou.

Israel retomou os combates no norte de Gaza no início deste mês, apesar de ter dito que tinha destruído a estrutura de comando do Hamas na área em janeiro.

Os renovados combates mostram os desafios que Israel enfrenta para alcançar o seu objetivo de destruir o Hamas, com um alto responsável de segurança alertando este mês que a guerra poderá durar até ao próximo ano.

Ibrahim Dahman, Lucas Lilieholm, Kevin Liptak e Samantha Waldenberg da CNN contribuíram na reportagem.

 

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO