Cuiabá, 14 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 15:52 - A | A

21 de Junho de 2024, 15h:52 A- A+

Internacional /

EUA e China realizam primeira conversa nuclear informal em cinco anos

Negociações ocorrem em meio ao aumento da tensão entre Pequim e Taipé

GREG TORODE, GERRY DOYLE, LAURIE CHEN
DA REUTERS

Os Estados Unidos e a China retomaram conversações semioficiais sobre armas nucleares em março, pela primeira vez em cinco anos, com os representantes de Pequim dizendo aos seus homólogos norte-americanos que não recorreriam a ameaças atômicas em relação a Taiwan, de acordo com dois delegados norte-americanos que participaram.

Os representantes chineses ofereceram garantias depois que os interlocutores norte-americanos levantaram preocupações de que a China poderia usar, ou ameaçar usar, armas nucleares se enfrentasse uma derrota em um conflito sobre Taiwan. Pequim considera a ilha democraticamente governada como seu território, uma reivindicação rejeitada pelo governo de Taipé.

“Eles disseram aos EUA que estão absolutamente convencidos de que são capazes de prevalecer em uma luta convencional sobre Taiwan sem usar armas nucleares”, afirmou o acadêmico David Santoro, o organizador norte-americano das conversações Track Two, cujos detalhes estão sendo relatados pela Reuters pela primeira vez.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo linkFTN BRASIL 

Os participantes das conversações Track Two são geralmente ex-autoridades e acadêmicos que podem falar com autoridade sobre a posição de seu governo, mesmo que não estejam diretamente envolvidos na definição dessa posição. As negociações entre governos são conhecidas como Track One.

Washington foi representada por cerca de meia dúzia de delegados, incluindo ex-autoridades e acadêmicos nas discussões de dois dias, que ocorreram em uma sala de conferências de um hotel em Xangai.

Pequim enviou uma delegação de acadêmicos e analistas, que incluía vários ex-oficiais do Exército de Libertação Popular.

Um porta-voz do Departamento de Estado disse, em resposta às perguntas da Reuters, que as conversações do Track Two poderiam ser “benéficas”. O departamento não participou da reunião de março, embora estivesse ciente dela, afirmou o porta-voz.

Essas discussões não podem substituir as negociações formais “que exigem que os participantes falem com autoridade sobre questões que geralmente são altamente compartimentadas dentro dos círculos do governo (chinês)”, disse o porta-voz.

Os membros da delegação chinesa e o Ministério da Defesa de Pequim não responderam aos pedidos de comentários.

As discussões informais entre as potências com armas nucleares ocorreram com os EUA e a China em desacordo sobre importantes questões econômicas e geopolíticas.

Os dois países retomaram brevemente as conversações Track One sobre armas nucleares em novembro, mas essas negociações estão paralisadas desde então, com uma importante autoridade dos EUA expressando publicamente sua frustração com a capacidade de resposta da China.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo linkFTN BRASIL 

O Pentágono, que estima que o arsenal nuclear de Pequim aumentou em mais de 20% entre 2021 e 2023, disse em outubro que a China “também consideraria o uso nuclear para restaurar a dissuasão se uma derrota militar convencional em Taiwan” ameaçasse o governo.

A China nunca renunciou ao uso da força para colocar Taiwan sob seu controle e, nos últimos quatro anos, intensificou a atividade militar em torno da ilha.

As conversações do Track Two fazem parte de um diálogo de duas décadas sobre armas nucleares e postura que foi paralisado depois que o governo Trump retirou o financiamento em 2019.

Após a pandemia da Covid-19, as discussões semioficiais foram retomadas sobre questões mais amplas de segurança e energia, mas somente a reunião de Xangai tratou em detalhes sobre armas nucleares.

Santoro, que dirige o instituto Pacific Forum, com sede no Havaí, descreveu “frustrações” de ambos os lados durante as últimas discussões, mas disse que as duas delegações viram motivos para continuar conversando. Mais discussões estavam sendo planejadas para 2025, disse ele.

 

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation