Cuiabá, 17 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,48
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Internacional Sábado, 01 de Junho de 2024, 09:20 - A | A

01 de Junho de 2024, 09h:20 A- A+

Internacional /

Capital da Índia raciona fornecimento de água em meio a calor de 50°C e dezenas de mortes

Nova Délhi registrou casos de insolação extrema, exaustão e desidratação; onda de calor reforça alerta para medidas de contenção da crise climática

ESHA MITRA
DA CNN

Não há água potável nas favelas do bairro de Chanakyapuri, em Délhi. São 49,9ºC – a temperatura mais quente já registrada.

O sol brilha nos telhados de zinco dos barracos. Pessoas desesperadas esperam que a água potável seja entregue.

Quando chega, há caos.

Dezenas de pessoas correm para o caminhão, algumas até subindo nele para jogar canos, empurrando-os para encher seus recipientes com água. A regra é: o primeiro a chegar será o primeiro a ser servido, e muitas pessoas ficam de fora.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL 

Mãe de seis filhos, Poonam Shah é uma dessas pessoas.

“Há 10 pessoas na minha família – seis filhos, eu e meu marido, meus sogros, parentes vêm às vezes – podemos todos tomar banho em um balde de água?” ela pergunta.

Hoje a família dela pode não ter nem um balde. Poonam estava trabalhando em sua barraca de comida de rua quando o caminhão-pipa chegou. Ela tentou voltar correndo para buscá-lo – mas era tarde demais, a água havia acabado.

Moradores do bairro de Chanakyapuri, em Delhi, lutam para obter água sob um calor escaldante em 31 de maio de 2024 / Vijay Bedi/CNN

“O que devemos fazer? Não há água. Eu trabalho numa loja, não tem água lá. Mas esqueça a loja, não temos água para os nossos filhos.”

Ela agora tentará comprar água – custará até metade dos US$ 3 que ela normalmente ganha por dia vendendo samosas (comida típica indiana) e outros lanches.

À medida que o calor recorde atinge o norte da Índia, o governo de Délhi foi forçado a racionar o fornecimento gratuito de água. Anteriormente, o bairro de Poonam recebia de duas a três entregas de caminhões-tanque por dia. Agora é só esse.

As temperaturas em Délhi têm oscilado acima de 40ºC na última semana, e na terça-feira atingiram o máximo histórico de 49,9ºC em uma área da capital, de acordo com o Departamento Meteorológico Indiano.

Poonam Shah trabalha em sua barraca de comida de rua no bairro de Chanakyapuri, em Délhi, em 30 de maio de 2024 / Vijay Bedi/CNN

Pelo menos uma morte foi relatada na cidade até agora, e dezenas de outras em todo o país.

Pelo menos 33 pessoas, incluindo funcionários eleitorais em serviço, morreram de suspeita de insolação nos estados indianos de Bihar, Uttar Pradesh e Odisha nesta sexta-feira (31).

No hospital Ram Manohar Lohiya (RML), em Délhi, uma unidade de insolação com tanques de imersão a frio está tratando cada vez mais pacientes que sofrem de insolação extrema, exaustão e desidratação.

Os banhos de gelo e o ar condicionado do hospital podem ajudar alguns dos milhões de pessoas que não têm outra escolha senão enfrentar o calor de Délhi para ganhar a vida, mas apenas se chegarem rapidamente ao hospital.

“A taxa de mortalidade por insolação é muito, muito alta, está perto de 60% a 80%”, disse Ajay Shukla, superintendente médico do hospital, à CNN.

“As pessoas podem sobreviver se receberem cuidados médicos imediatos e muito precoces, e isso envolver o resfriamento rápido do corpo.”

“Se as pessoas conseguem esse resfriamento rápido, elas se estabilizam e sobrevivem. Mas se chegarem tarde ao hospital e a intervenção for tardia, a taxa de mortalidade é muito elevada. Não poderemos salvá-los se eles chegarem atrasados.”

O paciente que morreu em Délhi foi internado no hospital RML. Ele era um trabalhador migrante de 40 anos e, como muitos que trabalhavam ao ar livre sob o sol forte, sucumbiu ao calor.

“Ele estava trabalhando em uma fábrica, em uma área onde não havia refrigeração, uma área muito pequena e congestionada com um galpão de lata, então havia vários trabalhadores lá dentro”, disse Shukla, acrescentando que já era tarde demais quando ele chegou ao hospital.

O nome do homem não foi divulgado, por questões de privacidade.

A maioria dos pacientes com insolação do hospital vem de comunidades mais pobres, onde os trabalhadores não têm outra escolha senão passar longos períodos sob o sol do verão.

Kali Prasad vende água e suco de limão fora do Portão da Índia. Todos os dias ele empurra seu carrinho de água até o local famoso, de sua casa, a cerca de oito quilômetros de distância.

“O calor aumentou drasticamente nos últimos cinco a 10 dias, está muito quente, as pessoas nem vêm aqui por causa disso”, disse ele.

Ele diz que não tem escolha a não ser ficar o dia todo sob o sol escaldante, pois não há mais ninguém para sustentar sua esposa, filhos e pais.

Nos últimos anos, o calor do verão chegou mais cedo, as temperaturas aumentaram cada vez mais e as ondas de calor se prolongaram.

O noroeste e o centro da Índia têm experimentado temperaturas máximas acima de 42°C, com algumas cidades chegando a ultrapassar a marca dos 50°C, de acordo com o Departamento Meteorológico Indiano.

A tendência é “uma manifestação clara dos crescentes impactos das alterações climáticas”, afirma Farwa Aamer, diretora de iniciativas do Sul da Ásia no Asia Society Policy Institute.

“Este aumento alarmante nas temperaturas sublinha a necessidade urgente de estratégias de adaptação robustas e medidas proativas na Índia e na região para proteger vidas e meios de subsistência, especialmente entre as populações vulneráveis, dos efeitos devastadores para a saúde de um calor tão intenso”, disse Aamer, que investiga vulnerabilidades climáticas no Sul da Ásia.

Para muitos em Délhi, a crise climática já tornou a vida durante o verão insuportável.

“Temos que negociar, então negociamos, somos pessoas pobres, então temos que morrer, temos que trabalhar, não importa o quão quente esteja”, disse Kali Prasad.

“Não temos outra opção.”

 

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation