Cuiabá, 14 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Polícia Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 10:51 - A | A

21 de Junho de 2024, 10h:51 A- A+

Polícia / LEIS TRABALHISTAS

Polícia Federal resgata trabalhadores em situação análoga à escravidão em Corumbá

A ação resultou no resgate de dez trabalhadores em propriedades da região

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

 

Entre os dias 4 e 20 de junho, a Polícia Federal realizou uma série de ações de repressão ao trabalho em condições análogas à escravidão na região do Pantanal do Mato Grosso do Sul. As operações contaram com apoio de auditores fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

As ações visam identificar e combater práticas de exploração laboral que se assemelham à escravidão, garantindo a proteção dos direitos dos trabalhadores e a responsabilização dos envolvidos em tais práticas. O Pantanal do Mato Grosso do Sul, uma região vasta e de difícil acesso, frequentemente enfrenta desafios relacionados à fiscalização e ao cumprimento das leis trabalhistas, tornando essas operações essenciais para a proteção dos trabalhadores locais.

No período, foram fiscalizadas nove propriedades rurais, todas situadas em locais de difícil acesso. Duas das propriedades apresentaram inconformidades trabalhistas e administrativas. Em uma terceira, foi constatado sinais de alojamento irregular de trabalhadores. Em uma outra, houve o resgate de dez pessoas, que estavam sendo submetidas a condições degradantes de trabalho e moradia.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo linkFTN BRASIL 

Em uma última propriedade, na região do Paiaguás, Pantanal matogrossense, os trabalhadores estavam isolados em meio à mata e impossibilitados de deixar o local. Esta mesma propriedade havia sido alvo de denúncias.

Diante da situação, o empregador deve arcar com indenizações trabalhistas e por danos morais e está sujeito à responsabilização pelo crime de redução a condição análoga à escravidão.

Álbum de fotos

Reprodução: PF-MS

Reprodução: PF-MS

Reprodução: PF-MS

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation