Cuiabá, 18 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Polícia Segunda-feira, 20 de Maio de 2024, 16:23 - A | A

20 de Maio de 2024, 16h:23 A- A+

Polícia / OPERAÇÃO LOKI

Polícia Civil prende mulher suspeita de estelionatos contra idosos no município de Ivinhema

De posse do mandado de prisão preventiva, após uma série de diligências, os policiais efetuaram a prisão da suspeita no último sábado (18), no bairro Residencial Solar do Vale, em Ivinhema

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, por meio da Seção de Investigações Gerais (SIG), deflagrou a 2º fase da “Operação Loki” e prendeu uma mulher de 31 anos, que era investigada pelos crimes de estelionato contra idoso, analfabetos e deficientes. Na quarta-feira (08), a Polícia Civil deflagrou uma operação policial que investigava, ao menos, quatro crimes de estelionatos contra pessoas vulneráveis no município de Ivinhema, tendo como suspeita de praticar tais crimes, uma mulher de 31 anos, sócia de uma empresa de créditos e financiamentos. 

Na oportunidade, foi cumprido mandado de busca e apreensão no endereço comercial e residencial, bem como interditado provisoriamente o estabelecimento creditício. Ocorre que logo após a operação, a suspeita foi até a residência de uma das vítimas, que se sentiu constrangida e coagida a mudar sua versão dos fatos.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

Por esse motivo, visando evitar que as vítimas fossem coagidas a mudar suas versões e garantir a lisura do processo penal, a autoridade policial representou pela prisão preventiva da suspeita, que, após manifestação favorável do Ministério Público, foi deferida pelo Poder Judiciário. De posse do mandado de prisão preventiva, após uma série de diligências, os policiais efetuaram a prisão da suspeita no último sábado (18), no bairro Residencial Solar do Vale, em Ivinhema.

A Polícia Civil salienta a importância da participação da comunidade no combate ao crime, motivo pelo qual reforça que as denúncias anônimas poderão ser feitas por meio do “WhatsApp” da SIG (67- 99208-9491), garantindo-se o sigilo dos denunciantes.

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO