Cuiabá, 22 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,43
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Polícia Quarta-feira, 29 de Maio de 2024, 15:00 - A | A

29 de Maio de 2024, 15h:00 A- A+

Polícia / APÓS DENÚNCIAS

Polícia Civil prende líder religioso por estupro e importunação sexual em Senador Canedo

O homem aproveitava sua condição de líder religioso, assumindo a função de “orientar” e “acolher” os jovens da igreja, para submeter as crianças, adolescentes e jovens à prática de atos libidinosos não consentidos

PAULA VALÉRIA
DA REDAÇÃO

Nesta terça-feira (28), a Polícia Civil de Goiás, através da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) do município de Senador Canedo (GO) cumpriram um mandado de prisão preventiva contra DJP, de 54 anos, investigado por diversos crimes de importunação sexual e estupro de vulnerável.

Conforme informações da PCGO, os policiais receberam uma denúncia relatando que DJP, líder de uma instituição religiosa, violentava sexualmente jovens frequentadoras da igreja.

Após diligências investigativas, foi apurado que o homem aproveitava sua condição de líder religioso e a confiança das famílias, assumindo a função de “orientar” e “acolher” os jovens da igreja, para submeter diversas crianças, adolescentes e jovens à prática de atos libidinosos não consentidos. Os atos são praticados há décadas contra vítimas entre 11 e 22 anos de idade.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

Foram realizadas oitivas de diversas vítimas, as quais relataram múltiplos atos libidinosos praticados pelo investigado. As violências sexuais ocorreram em Senador Canedo/GO e em Parauapebas/PA (onde Dagmar residiu entre os anos de 2007 e 2016, aproximadamente) contra vítimas crianças (entre 11 e 12 anos), adolescentes (entre 12 e 18 anos) e jovens adultas.

Verificou-se que o lider religioso já foi indiciado anteriormente por estupro praticado contra menor de 14 anos, conforme consta de inquérito do ano de 2005 da Delegacia de Nerópolis (GO).

Com os elementos probatórios obtidos e por ser evidente o risco de reiteração, a Polícia Civil de Goiás representou pela prisão preventiva, agora cumprida.

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO