Cuiabá, 12 de Junho de 2024
DÓLAR: R$ 5,41
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Opinião Sábado, 01 de Junho de 2024, 12:09 - A | A

01 de Junho de 2024, 12h:09 A- A+

Opinião / MARÍA GARCÍA RUBIO

Viciado em dar match? Aplicativo de paquera pode afetar saúde mental

Artigo de divulgação científica escrito pela professora María J. García-Rubio, da Universidade de Valência, na Espanha, explica como

Mireia é psicóloga clínica há 20 anos e atende entre 15 e 20 pacientes por semana. Nos últimos seis meses, ela notou algo que a preocupou: o aumento no número de casos relacionados a aplicativos de relacionamento.

Ela se recorda, por exemplo, de um paciente cujos problemas de sono dependiam do fato de o aplicativo estar ou não ativo. E pessoas que vieram com sintomas de ansiedade devido à incerteza ou à angústia causada por rejeição e abandono.

No entanto, o uso desses aplicativos está aumentando exponencialmente a cada dia: o que está acontecendo, o crescimento dessa nova maneira de se relacionar é mais importante do que o bem-estar emocional?

Para responder a essa pergunta, precisamos primeiro entender os fatores que estão por trás das consultas dos usuários a especialistas.

Que efeitos o match tem no cérebro?

Há alguns anos, falava-se muito sobre a dependência de substâncias como a maconha. Depois veio a avalanche científica sobre os efeitos do vício em telas e agora, talvez, seja a vez dos aplicativos de relacionamento.

O surgimento desses aplicativos é notável, embora o estudo de seus efeitos psicofisiológicos não esteja se desenvolvendo na mesma velocidade. Desde a criação do primeiro – Grindr, em 2009 – muitos outros surgiram com diferentes opções e um objetivo comum: conectar pessoas para fins afetivos e sexuais.

Pouco depois do surgimento do fenômeno, o professor Elias Aboujaoude, da Universidade de Stanford, já afirmava que esse tipo de ferramenta poderia ser viciante, pois oferece aos usuários uma “ligação” semelhante a uma droga. Isso acontece quando você recebe um like ou um match, que é quando duas pessoas gostam uma da outra.

Os efeitos psicológicos sobre a autoestima, o autoconceito ou a identidade social após um match são óbvios. Entretanto, o impacto no cérebro não foi tão estudado ou, pelo menos, não há um modelo teórico claro. No entanto, tudo aponta para o sistema de recompensa e a liberação de dopamina e outras substâncias hormonais.

Esse sistema é a área do cérebro ligada à sensação de bem-estar e é responsável pela repetição de um comportamento, independentemente de ele ser retribuído ou não. Além disso, foi demonstrado que ele é ativado não apenas quando o prazer é gerado, mas também na mera expectativa de que o estímulo prazeroso chegará em algum momento. Isso ocorre mais intensamente com tudo relacionado ao amor ou à busca de um parceiro romântico, devido à sua implicação para a sobrevivência.

Existe algum tipo de vício em matches?

Essa é uma pergunta difícil de responder, pois exigiria dados objetivos sobre o número de matches e sua relação com outras variáveis sociodemográficas e clínicas, e nem todos os aplicativos tornam essas informações públicas.

Por exemplo, o Tinder registrou nada menos que 70 bilhões de matches desde sua criação. Na verdade, o próprio aplicativo tem uma opção para que os usuários façam um download de suas estatísticas.

No entanto, é verdade que a frequência com que uma pessoa faz matches é relativa e os fatores envolvidos são desconhecidos, conforme compartilhado pelos próprios usuários em fóruns. O que é certo é que estamos diante de uma revolução mundial na formação de pares.

Em 2019, a Organização de Consumidores e Usuários (OCU) confirmou, por exemplo, que um em cada dez espanhóis usa aplicativos de relacionamento regularmente e que um em cada três desses usuários é viciado. Um relatório mais recente, de 2024, apresenta números semelhantes: mais de quatro milhões de pessoas usam essas ferramentas digitais todos os meses no país.

Considerando os dados, é lógico pensar em uma possível dependência do match, ainda mais se ele afetar diretamente o sistema de recompensa do cérebro. Por outro lado, foi demonstrado que a desinstalação desse tipo de aplicativo pode gerar uma síndrome de abstinência com sintomas semelhantes aos da “desvinculação” de uma substância específica, como a cocaína, por exemplo.

Quais são os efeitos de receber um unmatch?

Um unmatch é a rejeição explícita de um perfil após ter obtido um match anterior e até mesmo ter iniciado um histórico de conversas. É o que é conhecido no WhatsApp ou em outras mídias digitais como ghosting. Embora nesse caso esteja um nível acima, já que o unmatch exclui sem nenhum aviso o perfil e as conversas com a pessoa que o enviou. É como se o link nunca tivesse existido.

Alguns estudos demonstraram que ela está associada a um estado de decepção, tristeza e desesperança, no qual a autoestima e a autoimagem são prejudicadas. A pessoa rejeitada pode desenvolver pensamentos intrusivos relacionados à punição e à culpa, como: “é normal que ela não esteja interessada em mim se eu não valho nada” ou “o que estou fazendo de errado para que todas essas coisas aconteçam comigo?

Várias investigações neurobiológicas sobre rejeição e abandono encontraram uma resposta no circuito cerebral da tristeza, caracterizada por uma diminuição da atividade cortical e pelo envolvimento de outros correlatos do sistema nervoso autônomo.

Uma possível explicação é que o repúdio afetivo ou sexual ativa áreas cerebrais específicas, como a área ventrolateral do córtex pré-frontal e a ínsula, que estão relacionadas a experiências precoces de rejeição.

Outro cenário possível é o fato de não haver resposta, nem match nem unmatch. Aqui, o protagonista é a ansiedade antecipatória gerada pela incerteza. Vários autores apontam essa situação como a mais incapacitante porque ela não tem limite superior e é altamente dependente da exposição ao estímulo.

Quanto aos efeitos psicológicos e comportamentais desse vício, podemos citar alguns relevantes: a verificação constante do telefone celular para ver se há algo novo, a alimentação compulsiva e a falta de apetite diante de uma resposta de rejeição ou problemas de sono à espera de uma resposta.

Na verdade, esses são comportamentos semelhantes aos encontrados em relacionamentos altamente tóxicos ou aqueles agora conhecidos como breadcrumbing, baseados no fenômeno psicológico do reforço intermitente.

Há também uma maneira de sair do vício em jogos

Para gerenciar esse vício, as expectativas, a experiência anterior, o nível de autoestima e determinados traços de personalidade desempenham um papel importante. Estabelecer limites de tempo para usar o aplicativo pode ajudar a evitar comportamentos compulsivos. Também é aconselhável reduzir as expectativas de nossos contatos em relação a encontros, incentivar conversas genuínas e significativas e conversar com amigos de confiança sobre experiências com o aplicativo.

Sem dúvida, a maneira como nos relacionamos mudou e nosso sistema nervoso precisa se adaptar. Nesse momento, quando nem mesmo as estratégias anteriores impedem que a saúde mental seja afetada, pedir ajuda psicológica pode ser a decisão que nos salvará da dependência do match.

Artigo de divulgação científica escrito escrito pela professora María J. García-Rubio, da Universidade de Valência, na Espanha, para o portal The Conversation.

 

Comente esta notícia

NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO