Cuiabá, 20 de Julho de 2024
DÓLAR: R$ 5,60
FTN Brasil | Jornal de Verdade

Cidades Sexta-feira, 22 de Março de 2024, 16:50 - A | A

22 de Março de 2024, 16h:50 A- A+

Cidades /

Público lota plenário para prestigiar a 4ª Edição do Encontro Vidas Negras Importam

O evento realizado pela Prefeitura de Cuiabá, através da Secretaria Municipal de Assistência Social aconteceu no Plenário da Câmara Municipal, na noite desta quinta (21), e contou com a presença de professores, estudantes, vereadores e secretários

ELISA RIBEIRO

A 4ª edição do Encontro Municipal Vidas Negras Importam sobre a temática “Porque ainda é preciso dizer que as vidas importam” foi prestigiado por lideranças de vários segmentos da sociedade demonstrando a importância da discussão e conscientização a exercitar o respeito pelo outro.

O evento realizado pela Prefeitura de Cuiabá, através da Secretaria Municipal de Assistência Social aconteceu no Plenário da Câmara Municipal, na noite desta quinta-feira (21), e contou com a presença de professores, estudantes, vereadores e secretários do município.

“Independente de cor da pele, do credo religioso, da opção sexual, o que o difere é o caráter da pessoa, a sua história de vida e o respeito pelo outro. E vidas negras importam porque elas não são diferentes das vidas brancas ou da vida parda. Qualquer vida importa igualmente. E temos que apoiar, valorizar eventos que tratam do assunto. Esta é a quarta edição e eu estive em todas as edições vou estar participando porque acredito no movimento”, pontou o vice-prefeito José Roberto Stopa. Na oportunidade Stopa destacou a importância da discussão para encontrar a solução.

Acesse nosso canal de notícias no WhatsApp pelo link: FTN BRASIL

O evento contou com palestras de áreas diversas do conhecimento com temas variados para instigar a reflexão na data oportuna, tendo em vista que dia 21 de março é o dia Internacional de eliminação da discriminação racial. “É um dia importante porque a gente destaca justamente aquilo que ainda é um mal, do que é a discriminação racial, mesmo a população negra sendo representando a maioria da população brasileira no mercado de trabalho. Então, é preciso discutir que vidas negras importam. E porque ainda precisamos dizer que vidas negras importam? Porque, por mais que a gente fale que a discriminação acabou e a sociedade já venceu o preconceito, isso não é real. Os números nos apontam isso. Então, por isso, eventos como esse ressaltam a importância da gente dialogar o empoderamento do povo negro da nossa cidade”, lembrou a secretária adjunta de Direitos Humanos da Secretaria Municipal de Assistência Social, Christiany Fonseca.

VICENTE AQUINO

PÚBLICO NA CÂMARA DE CUIABÁ

 

Ainda hoje, em 2024, se discute sobre o racismo porque é uma questão profundamente enraizada na sociedade e continua a afetar milhões de pessoas em todo o mundo. Mesmo com avanços significativos em termos de direitos civis e conscientização, o racismo persiste de várias formas, seja de maneira explícita ou sutil, nas instituições, nas interações sociais e nos sistemas de poder.

Portanto, a discussão sobre o racismo é necessária para trazer à tona as disparidades sociais e econômicas que ainda existem entre diferentes grupos raciais e étnicos. Muitas comunidades enfrentam discriminação sistemática, violência e falta de acesso a oportunidades igualitárias com base na cor da pele. Ignorar essas realidades seria negligenciar a luta por justiça e igualdade.

A professora e mestre historiadora, Cristina Soares do Santos, uma das palestrantes da programação, fez um retrospecto e disse que a sensação é de que a sociedade está regredindo, que muitas das conquistas parecem estar ficando para trás e que ainda é preciso discutir. “Discutir como se a gente tivesse iniciando tudo bem e a ideia de reinício mesmo porque a impressão que eu tenho é que a gente vai parar andando para trás, porque conquistas que nós tivemos parece que, nos últimos anos, a gente começou a retroceder, então mais do que nunca uma pergunta tão óbvia como essa. Por que Vidas Negras importam a gente tem que fazer quem refletir sobre elas? Por tudo que a gente já conhece, mas que a gente possa publicizar, porque a vida dos negros importa. Eu tenho uma ancestralidade, eu tenho uma história, eu sou capaz, sou uma pessoa importante. Na hora que nós estamos discutindo não é que nós somos mais, nós somos iguais. Então, todo tempo é sempre uma luta por igualdade porque as pessoas não entendem acham que a gente é inferior e a gente tem que todos os dias falar  não, nós somos iguais”, disse Cristina.

Além disso, o racismo não é um problema exclusivo do passado; ele continua a se manifestar em eventos atuais, como violência policial injusta, disparidades de saúde durante crises como a pandemia de COVID-19 e desigualdade de oportunidades educacionais e profissionais.

Portanto, é fundamental continuar discutindo e enfrentando o racismo em todas as suas formas, promovendo a conscientização, a educação, a solidariedade e a ação coletiva para construir uma sociedade mais justa e inclusiva para todos, independentemente da cor da pele. Enquanto o racismo persistir, nossa responsabilidade de combatê-lo também persistirá.

A religiosidade afrodescendente também foi tema da noite e coube a orientadora espiritual e sacerdotisa de Umbanda, a Aiyra Iaé Regina Câncio abordar o assunto. Ela pontuou que o racismo religioso está explícito no discurso de ódio que a população negra enfrenta e que é importante trazer a reflexão e conhecimento das pessoas.

Políticas públicas também compôs a programação. A socióloga Lucinéia Soares conduziu a palestra envolvendo a temática. Ela pontuou que é preciso entender que o racismo  é estrutural. Ao mesmo tempo que ele causa, ele é consequência e o Estado (enquanto nação) tem um papel importante nisso, de a ser regulador e mediador das relações sociais.  E nesse quesito, é preciso debater, por exemplo, o sistema tributário mais justo e equânime em virtude do que se vê, “que é uma reprodução da desigualdade de renda e que quando a gente vai discutir isso com a raça, ela tem um aspecto mais pesado, mais regressivo pra população negra e mais especificamente pra mulher negra. Já é uma diferença pra mulher e para a mulher negra, ela é ainda mais penalizada na retenção desse imposto do seu salário da sua renda e ao mesmo tempo ela não tem risco de devolutivo também de políticas públicas”, explicou Lucineia.

O ex-vereador por Cuiabá, Rinaldo Ribeiro, também ministrou palestra e recebeu o carinho do público. Ele é um militante da causa e recebeu as considerações do público, em especial do vice-prefeito José Roberto Stopa.

Comente esta notícia

Esse est et proident pariatur exercitation